Partido governista sul-africano se reúne para eleger presidente

Joanesburgo, 16 dez 2017 (AFP) - Milhares de delegados do Congresso Nacional

Africano, no poder na África do Sul, se reuniram neste sábado para designar seu novo líder, uma eleição considerada fundamental na história pós-apartheid do país, mas marcada por acusações de corrupção contra o presidente Jacob Zuma.

Quem vencer tem muitas possibilidades de ser eleito presidente do país, apesar de o partido estar envolvido em escândalos de corrupção e ter perdido a aura e a popularidade que contava quando Nelson Mandela foi eleito presidente em 1994, marcando o fim do regime de discriminação racial.

A crise econômica, falta de empregos e corrupção ameaçam privar o ANC da maioria absoluta nas eleições gerais de 2019.

Zuma vai deixar a chefia do partido e a disputa pela presidência é um duelo acirrado entre o vice-presidente Cyril Ramaphosa, um ex-sindicalista convertido em empresário milionário, e a candidata apoiada por Zuma, sua ex-esposa e ex-presidente da União Africana(UA), Nkosazana Dlamini Zuma.

Apoiado pela ala moderada do ANC, Ramaphosa, de 65 anos, se apresenta como capaz de retomar o crescimento e critica o clã Zuma.

Por sua parte, Dlamini Zuma, de 68 anos, defende uma transformação radical da economia para favorecer os negros do país.

bgs-pa/gw/je/iw/an-me/acc/cn

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos