Bolsas

Câmbio

Sindicatos alemães batalham por salários mais altos

Berlim, 24 Jan 2018 (AFP) - Depois da indústria, a batalha dos sindicatos alemães para conquistar aumentos salariais continua, com os funcionários públicos e o setor de serviços insatisfeitos com sua remuneração.

O poderoso sindicato IG Metall inicia, nesta quarta-feira, sua última sessão com a patronal em Boblingen (sudoeste), para obter 6% de aumento salarial e a possibilidade de passar a jornada semanal de 35 para 28 horas.

"Estamos dispostos a tudo" se as negociações fracassarem, alertou recentemente Jörg Hofmann, líder do principal sindicato europeu, que não convocou uma greve nacional ilimitada desde 2003.

Mas a demanda de aumento salarial não implica apenas os 3,9 milhões de funcionários da metalurgia, que inclui setores automotivo, indústria elétrica e eletrônica, ou seja, os maiores destaques das exportações alemãs.

- Paralisação? -No sábado, a Federação Alemã de Funcionários Públicos (DBB) exigiu um aumento salarial "claro e real", além da passagem da jornada semanal de 41 a 39 horas no setor público, segundo disse seu presidente Ulrich Silberbach à revista Wirtschaftswoche.

Se não houver acordo antes de 17 de abril, a paralisação ameaça as creches, os transportes públicos e o recolhimento de lixo.

No setor de serviços, o sindicato Verdi luta com a Deutsche Post por um aumento de 6% nos salários de 130 mil carteiros.

"A era da moderação salarial", chave da competitividade alemã desde a Reunificação - em detrimento de seus sócios europeus - já acabou, constataram em novembro passado os "Sábios", fórum e economistas que aconselha o governo alemão.

O crescimento do país e um desemprego historicamente baixo - 5,7% em dezembro - deram aos sindicatos um grande poder de negociação.

- Pedidos do exterior -Os salários da Alemanha despertam interesse também fora do país. Os parceiros internacionais de Berlim têm multiplicado os pedidos pela redução do enorme superávit primário do país e pela redistribuição do poder aquisitivo.

"Um aumento mais rápido dos salários na Alemanha ajudaria também seus vizinhos europeus, pois contribuiria para aproximar a inflação do bloco do objetivo do Banco Central Europeu (BCE)", pouco abaixo de 2%, afirmou na semana passada Christine Lagarde, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Envolvidos em complicadas negociações de coalizão, conservadores e social-democratas alemães até agora não falaram sobre os salários. Atualmente, o tema é de responsabilidade dos sociais.

Mas, em 26 de fevereiro, caberá ao ministro do Interior, Thomas de Maizière, conservador como Angela Merkel, enviar um sinal político: ele terá que começar a conversar com os sindicatos de funcionários. E os recursos do governo federal raramente estiveram tão bem preparados.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos