PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Trump diz que não tem pressa para concluir novo Nafta

16/08/2018 20h42

Washington, 16 Ago 2018 (AFP) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira (16) que não tem "nenhuma pressa" em concluir um novo Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) com seus parceiros de México e Canadá.

A um ano do início das negociações promovidas por Trump para revisar o acordo vigente desde 1994, o presidente ressaltou em uma reunião de gabinete que "se não puder fazer o acordo certo, não fará".

Funcionários dos governos americano e mexicano iniciaram em Washington a quarta semana consecutiva de deliberações para resolver assuntos bilaterais, entre eles os vinculados à indústria automotora, depois que as negociações entre os três sócios estagnaram em maio.

"Vamos muito bem. Não tenho nenhuma pressa. Queremos o acordo certo. O Nafta foi um desastre para nosso país", disse Trump. "Então vamos fazer um bom Nafta, justo para nós, ou não faremos Nafta algum".

O presidente americano criticou mais uma vez o Canadá, dizendo que "suas tarifas são muito altas, suas barreiras são muito fortes. Por isso, nem sequer estamos falando com eles neste momento".

Os chefes negociadores demonstraram otimismo nas últimas semanas.

Na reunião, o representante comercial americano, Robert Lighthizer, disse a Trump que acreditava em "um grande avanço" nos próximos dias apesar de "ainda haver alguns problemas difíceis para trabalhar".

E indicou que Canadá poderia voltar às negociações em breve.

"Tenho esperanças com o México. E espero que uma vez que tenhamos um acordo com o México, Canadá nos acompanhe", disse.

O secretário da Economia mexicano, Ildefonso Guajardo, que lidera a delegação de seu país, disse na quarta-feira que falou por telefone com o chanceler canadense, Chrystia Freeland, e ficou "esperançoso" de poder em breve negociar de forma trilateral, uma vez solucionados os temas com os Estados Unidos.

Perguntado sobre a possibilidade de um novo Nafta antes do final de agosto, Guajardo disse enxergar "a luz no fim do túnel".