PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Cinquenta usinas de carvão fecharam no governo Trump nos EUA

09/05/2019 17h24

Washington, 9 Mai 2019 (AFP) - Cinquenta centrais térmicas a carvão fecharam nos Estados Unidos após a chegada ao poder do presidente Donald Trump há dois anos, informou nesta quinta-feira o Sierra Club, organização ambientalista americana.

Segundo seus registros, houve 50 fechamentos e 51 anúncios de fechamento desde que Donald Trump assumiu o cargo em janeiro de 2017. Esses dois dados são considerados separadamente porque pode levar muitos anos desde o anúncio até a conclusão.

Nesta semana, os operadores de duas dessas usinas, na Florida e em Utah, anunciaram que fecharão as portas daqui a alguns anos. Ao todo, 289 centrais estão em processo de fechamento desde 2010, o que equivale a 40% da capacidade de produção elétrica das usinas de carvão, calcula o Sierra Club.

Outras 241 não anunciaram seu fechamento.

No governo Trump apenas uma central a carvão foi aberta no Alasca, há algumas semanas, informou a ONG.

"A indústria do carvão e os operadores estão antecipando sua saída porque economicamente o carvão já não faz mais sentido", disse à AFP Jonathan Levenshus, do Sierra Club.

"As tentativas do governo Trump de salvar a indústria não estão funcionando", afirmou.

Desde 2010, a exploração do carvão ficou mais cara que a de gás natural, que vive uma forte expansão nos EUA, onde ele vem substituindo o carvão na geração de energia elétrica.

No próximo verão (boreal), o carvão seria fonte de apenas 25% da eletricidade, ante 35% em 2015. Já o gás natural aumentaria a 40%, segundo uma análise publicada nesta quinta-feira pela agência de informação energética americana (EIA).

A produção de carvão dos Estados Unidos caiu um terço desde o pico de 2008, segundo dados oficiais. Mais de metade das minas fecharam desde então.

ico/la/mls/mps/ll/cc