PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Carlos Ghosn confirma fuga para o Líbano e critica justiça japonesa

31/12/2019 13h05

Beirute, 31 dez 2019 (AFP) - O ex-CEO da Renault e Nissan, Carlos Ghosn, que estava em prisão domiciliar em Tóquio aguardando julgamento, confirmou nesta terça-feira sua fuga para o Líbano.

"Agora estou no Líbano. Não sou mais refém de um sistema judicial japonês parcial, onde prevalece a presunção de culpa", escreveu ele em um comunicado transmitido por seu porta-voz.

"Não fugi da justiça, eu me libertei da injustiça e da perseguição política. Posso finalmente me comunicar livremente com a mídia, o que farei a partir da próxima semana", acrescentou.

Uma fonte ligada ao empresário disse à AFP que Ghosn está em Beirute "com sua esposa, livre e muito feliz".

Também indicou que seus advogados não estavam cientes de sua fuga e negou informações sobre uma TV libanesa de que ele teria escapado escondido em uma caixa de instrumentos musicais.

Seu principal advogado disse nesta terça que ficou perplexo com as notícias e que soube da fuga do cliente pela televisão.

"Fomos pegos completamente de surpresa. Estou chocado", disse Junichiro Hironaka aos jornalistas em Tóquio.

O Ministério das Relações Exteriores libanês anunciou que Ghosn entrou no Líbano legalmente e a Direção Geral de Segurança confirmou a legalidade da entrada e afirmou que nenhuma medida impunha "a adoção de procedimentos contra ele" e que nada "o expõe a uma ação legal".

Ghosn estava em prisão domiciliar no Japão, onde seria julgado em abril de 2020, especialmente por suposta apropriação indébita financeira.

Na segunda-feira, ele chegou ao aeroporto de Beirute, disse uma fonte de segurança libanesa à AFP.

"A maneira como ele deixou o Japão não está clara", disse outra autoridade libanesa à AFP.

Segundo o jornal libanês al-Jumhuriya, que revelou as informações, o ex-chefe da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, com tripla nacionalidade francesa, libanesa e brasileira, chegou a Beirute em um avião da Turquia.

Nada em seu comportamento nos últimos dias indicava que ele deixaria o Japão, disseram algumas pessoas que o visitaram até a semana passada.

"Ele ainda estava se preparando para seu julgamento durante nossas reuniões regulares", disse seu advogado.

"Carlos Ghosn não tenta se esquivar de suas responsabilidades, mas foge da injustiça do sistema japonês", explicou à AFP uma fonte ligada ao caso, que pediu para ter sua identidade preservada.

- 103 dias de prisão - Desde sua prisão, em 19 de novembro de 2018 em Tóquio, seus advogados e sua família denunciaram as condições de detenção, o tratamento dado a ele e a maneira como a justiça japonesa realiza a acusação.

Em novembro, Ghosn foi autorizado a falar por videoconferência com sua esposa Carole, pela primeira vez em quase oito meses.

Alguns dias antes desse contato, seus filhos exigiram um julgamento "justo" para o pai em uma coluna publicada no site de rádio pública francesa Franceinfo.

De acordo com sua assessoria de comunicação, Carlos Ghosn defendeu o "levantamento total" das várias proibições impostas, considerando-as "excessivas, cruéis e desumanas, e para que seus direitos fundamentais e os de sua esposa fossem respeitados".

Aquele que um dia foi aclamado como "o salvador da Nissan", após sua chegada ao grupo japonês em 1999, passou 130 dias na prisão desde novembro de 2018. Foi libertado sob fiança pela primeira vez em março de 2019, mas voltou a ser preso no começo de abril. No fim daquele mês obteve prisão domiciliar em condições estritas.

O ex-executivo é acusado de não declarar mais de 160 milhões de reais que ganhou entre 2010 e 2015, de usar indevidamente bens da Nissan em benefício próprio, de ter dado prejuízo à montadora de automóveis numa transferência de fundos e de repassar à empresa uma dívida particular.

- Acusações tendenciosas -Desde o começo do caso, Carlos Ghosn denunciou um "complô" por parte da companhia para impedir um projeto de integração reforçada com a Renault.

Durante uma audiência preliminar em outubro, sua defesa pediu a anulação do processo contra ele no Japão e acusou os promotores de "ações ilegais" e conluio com a Nissan para derrubá-lo.

As acusações são "motivadas politicamente desde o início, fundamentalmente tendenciosas" e "este caso nunca deveria ter resultado em processo criminal", denunciaram seus defensores.

As condições de liberdade do ex-magnata determinam que seus passaportes fiquem em poder de seus advogados, garantidores do respeito às normas impostas pela justiça.

Sua prisão domiciliar em Tóquio lhe permitia viajar dentro do Japão, mas o tempo de sua ausência de casa estava regulado.

Carlos Ghosn e seus advogados se queixavam que desde sua segunda libertação, em abril, foi constantemente seguido. Inicialmente acusaram oficiais do Ministério Público

burs-mhc/pn/plh/erl/mis/lr/cn

NISSAN MOTOR

Renault