PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Crescimento da França cai em 2019 devido a enormes paralisações

31/01/2020 16h22

Paris, 31 Jan 2020 (AFP) - A maior greve nos transportes da França contra a reforma do sistema de pensões em décadas afetou o crescimento econômico do país no último trimestre de 2019 e causou uma desaceleração maior do que o esperado para o ano inteiro.

O crescimento do PIB caiu para 1,2% no ano de 2019, pressionado por uma retração de 0,1% nos últimos três meses do ano, a primeira queda trimestral desde abril-junho de 2016, anunciou nesta sexta-feira (31) escritório francês de estatísticas INSEE.

O INSEE originalmente esperava um crescimento de 0,3% no último trimestre.

O governo, que fechou 2018 com um crescimento de 1,7%, esperava uma série de cortes de impostos e aumentos salariais para os trabalhadores de baixa renda para amortecer o golpe dos protestos dos "coletes amarelos" que começaram a perder força apenas em o verão passado.

Mas a enorme greve lançada em 5 de dezembro contra a reforma previdenciária do presidente Emmanuel Macron teve um impacto negativo, especialmente nas empresas, durante um período crucial antes do Natal.

"Um impacto dessa magnitude não era esperado", admitiu Mathieu Plane, economista do centro de pesquisas OFCE. "Houve um movimento, principalmente na indústria, de grande redução de estoques. (...) Em dezembro, as linhas de produção funcionaram menos", explicou.

Restaurantes e varejistas reclamaram que as vendas haviam caído um terço ou mais, principalmente em Paris, onde a maioria das linhas de metrô permaneceu fechada por várias semanas.

A produção de bens e serviços caiu 0,2 ponto depois de ter crescido 0,3% no trimestre anterior, e os investimentos caíram, com crescimento no quarto trimestre de apenas 0,3% após um aumento de 1,3% no trimestre anterior.

Mas para o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, esse "abrandamento temporário não põe em xeque as bases do crescimento francês, que permanecem sólidas".

- Melhor que Alemanha e Itália -Muitos especialistas temiam as consequências das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China ou a incerteza sobre o Brexit, mas o PIB da França excedeu o de muitos outros países europeus.

O crescimento francês é idêntico ao da zona do euro, mas muito melhor que o da Alemanha, que caiu para 0,6% devido à grande dependência de sua indústria de comércio internacional, e o da Itália, 0,2% no ano passado.

A França conseguiu contar com uma demanda doméstica relativamente forte no ano passado. Embora a produção tenha enfrentado algumas dificuldades no último trimestre (+1,6% após 2% em 2018), o investimento permaneceu dinâmico (+3,6%, após 2,8% em 2018).

Graças aos 10 bilhões de euros desbloqueados no final de 2018 pelo governo para acalmar o movimento dos "coletes amarelos" e também para mais de 260.000 novas vagas criadas, o poder de compra aumentou mais de 2%, segundo estimativas do INSEE, algo inédito desde 2007.

Com a redução do imposto de renda de 5 bilhões de euros e a abolição do imposto imobiliário, o consumo poderá acelerar ainda mais este ano, com um impacto positivo no crescimento.

O presidente Emmanuel Macron assumiu o cargo em 2017 prometendo promulgar reformas para revitalizar a economia francesa.

Ele promoveu uma série de mudanças na legislação trabalhista e cortes de impostos para as empresas, mas a ampla resistência à revisão da previdência resultou na maior demonstração de força sindical em décadas.

Em dezembro, o INSEE disse que esperava um crescimento de 0,2% no primeiro trimestre de 2020 e de 0,3% no segundo, previsões que poderiam ser excessivamente otimistas.

Para alcançar uma expansão anual de 1,3%, "o crescimento teria que atingir 0,45% a cada trimestre. Isso não parece razoável, seria mais do que o dobro das taxas observadas em 2019", disse Philippe Waechter, economista-chefe da Ostrum Asset Management, em nota.

mhc-js/meb/af/ll/mvv