Alibaba tem queda na Bolsa após mudanças devido a restrições dos EUA a semicondutores

As ações da gigante chinesa do comércio eletrônico Alibaba caíram quase 10% na Bolsa de Hong Kong após a empresa ter desistido de parte de sua restruturação devido às restrições impostas pelos Estados Unidos ao comércio de semicondutores.

Em uma decisão que surpreendeu os investidores, a gigante do setor de tecnologia informou na quinta-feira (16) que as restrições americanas à exportação de semicondutores à China a obrigaram a suspender a cisão de uma filial de computação na nuvem.

As ações, que já haviam registrado queda um dia antes na Bolsa de Nova York, tiveram uma perda de 9,96% no fechamento do mercado em Hong Kong.

Em março, a empresa anunciou uma ampla restruturação para separar o grupo em seis entidades distintas, uma delas dedicada aos serviços de computação na nuvem.

Mas na quinta-feira, Alibaba anunciou a suspensão da divisão diante da "recente extensão das restrições americanas na exportação de chips avançados de computação".

"Acreditamos que uma cisão completa do grupo Cloud Intelligence poderia não alcançar o efeito desejado de aumentar o valor para os acionistas", argumentou a empresa.

Os EUA proibiram o envio de semicondutores avançados, essenciais para o desenvolvimento da Inteligência Artificial, à China por razões de segurança nacional.

Alibaba é um ator essencial na expansão da economia digital chinesa e administra uma importante plataforma de compras online.

Os resultados do grupo são considerados um termômetro do consumo nacional, que perdeu força nos últimos meses.

Continua após a publicidade

bur-oho/je/cwl/dbh/cjc/hgs/es/yr/fp

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes