Bolsas

Câmbio

Número de empresas no Brasil com grau de investimento deve cair

Filipe Pacheco

  • Divulgação

(Bloomberg) -- O já reduzido número de empresas brasileiras com grau de investimento (espécie de selo de bom pagador) deverá encolher ainda mais em 2016.

Após dois rebaixamentos para grau especulativo da nota de crédito soberana e mais de 200 cortes em notas de crédito corporativas ao longo de 2015, a maior economia da América Latina tem atualmente apenas 14 empresas com grau de investimento.

Seis delas estão no patamar mais baixo dessa categoria e têm perspectiva negativa em suas classificações de risco, sinalizando que o grupo de tomadores de empréstimos que não são considerados grau especulativo em breve poderá encolher para um dígito.

As companhias que possuem as melhores notas são, em grande parte, empresas que obtêm a maior parcela de suas receitas no exterior, o que as isola, de certa forma, da recessão mais profunda do Brasil em 25 anos e da turbulência política que tem dificultado os esforços da presidente Dilma Rousseff para reforçar as contas fiscais.

Odebrecht e Braskem

Entre as empresas que podem ser cortadas para a categoria especulativa estão aquelas mais dependentes da economia doméstica, como a construtora Odebrecht e a empresa petroquímica Braskem, ambas classificadas no nível mais baixo do grau de investimento com perspectiva negativa pela Fitch e pela Standard & Poor's.

"Encontrar um emissor com grau de investimento do Brasil atualmente é raro", disse Klaus Spielkamp, chefe de renda fixa da corretora Bulltick em Miami, que negocia títulos de empresas brasileiras desde 1993.

"Vimos o Brasil se transformar em uma grande aposta especulativa neste ano que acabou. Poucos investidores de longo prazo estão olhando para os títulos do país atualmente".

O custo médio das dívidas corporativas do Brasil, incluindo as de grau especulativo e de investimento, subiu 3,9 pontos percentuais em 2015, para 11%, enquanto a maior economia da América Latina era atingida por crise atrás de crise.

O rendimento está 1,6 ponto percentual acima do rendimento de emissoras com classificação especulativa de mercados emergentes de todo o mundo e representa mais de duas vezes a média para dívidas de grau de investimento de países em desenvolvimento, segundo índices do JPMorgan.

289 rebaixamentos

O ano muito ruim do Brasil resultou em 289 rebaixamentos de classificação corporativa no país no ano passado, maior total desde ao menos 2002, segundo dados compilados pela agência de notícias Bloomberg.

Nem mesmo as empresas que mantiveram suas notas de grau de investimento se saíram bem no mercado de títulos no ano passado. Apenas três das 14 proporcionaram ganhos aos detentores.

O total de US$ 2,25 bilhões em notas da Vale para 2022 registrou perda de 22% no ano passado, superando a queda média de 15% das empresas de metais e mineração de mercados emergentes.

A empresa, que é a maior produtora de minério de ferro do mundo e a tomadora de empréstimos de grau de investimento mais produtiva do Brasil, foi pressionada pela queda dos preços do minério de ferro e pelo desastre ambiental em Minas Gerais.

A ruptura da barragem da Samarco, que guardava rejeitos de mineração, cobriu uma cidade de lama, deixando cerca de 20 pessoas mortas ou desaparecidas, e despejou dejetos tóxicos em um rio. Foi o maior desastre natural da história do Brasil e levou a Fitch a colocar a nota BBB da empresa em perspectiva negativa.

Operação Lava Jato

A Odebrecht, braço de construção do grupo Odebrecht, teve sua perspectiva reduzida pela Fitch e pela S&P depois que seu presidente foi preso sob a acusação de que fazia parte de um esquema de subornos para conseguir contratos com a Petrobras. Por meio de advogados, Marcelo Odebrecht negou qualquer irregularidade.

A Braskem também está vulnerável porque tem a Petrobras e a Odebrecht como acionistas controladoras e foi envolvida pela Operação Lava Jato, disse Spielkamp. A Petrobras já é classificada como especulativa pelas três maiores agências de classificação.

A assessoria de imprensa da Odebrecht disse que a fragilidade econômica do Brasil será compensada em 2016 pela diversificação geográfica da empresa, sendo que mais de 8% de sua receita é obtida fora do país.

A assessoria de imprensa da Braskem preferiu não comentar sobre a possibilidade de um rebaixamento em sua nota de crédito.

"Como a maioria das empresas não pode ter uma classificação melhor que a do país, os rebaixamentos na nota soberana provocaram repercussões na maioria das emissoras", disse Patrik Kauffmann, que ajuda a gerenciar US$ 11,2 bilhões em ativos na Solitaire Aquila, de Zurique.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos