Bolsas

Câmbio

Emergentes oscilam após medidas da China para sustentar ações

Ian Sayson, Nupur Acharya e Maria Levitov

(Bloomberg) -- Os esforços da China para estabilizar os preços das ações após a queda de segunda-feira pouco ajudaram a impulsionar os mercados emergentes.

O índice de ações MSCI Emerging Markets oscilou entre ganhos e prejuízos após registrar a maior queda em quatro meses na segunda-feira. Um indicador formado por moedas de 20 países em desenvolvimento caiu pelo terceiro dia. O índice chinês CSI 300, que inclui as chamadas ações A da parte continental do país, subiu porque fundos respaldados pelo Estado teriam intervindo depois que uma queda de 7 por cento, na segunda-feira, provocou uma paralisação nas negociações por meio de um novo mecanismo de circuit breaker.

"As autoridades chinesas entraram em campo para estabilizar o mercado de ações A, mas tirando isso não consigo enxergar nada que mereça uma compra específica", disse Tony Hann, chefe de ações emergentes da Blackfriars Asset Management Ltd. em Londres, que evita ações do setor energético, preferindo ativos orientados aos consumidores. "O mercado parece um pouco sobrevendido depois de ontem, o que poderia estar encorajando alguns traders de curto prazo, mas não há novos motores positivos".

O pior início de ano da história para as ações chinesas desencadeou uma corrida para venda na Ásia, na Europa e nos EUA na segunda-feira depois que os dados industriais fracos geraram o temor de que a desaceleração econômica do país limite o crescimento global. Os fundos chineses controlados pelo Estado compraram ações e a agência reguladora do mercado de títulos sinalizou que a proibição sobre a venda de grandes investidores continuará após a data de término desta semana, segundo pessoas informadas sobre o assunto.

Ações

O MSCI Emerging Markets Index teve pouca variação a 767,92, às 11h04 em Nova York após ter caído 0,3 por cento e subido 0,5 por cento. A recuperação no Brasil ajudou a manter o valor de referência de países em desenvolvimento. O índice dos países em desenvolvimento era negociado a 10,8 vezes os lucros projetados para o período de 12 meses, contra um múltiplo de 15,4 do MSCI World Index.

O Ibovespa subia 0,5 por cento em São Paulo, primeira alta desde 23 de dezembro porque os caçadores de pechinchas impulsionaram esse mercado acionário, que na segunda-feira atingiu seu nível mais baixo em seis anos.

Na China, o CSI 300 subiu 0,3 por cento após chegar a cair 2,7 por cento na abertura. O Shanghai Composite Index caiu 0,3 por cento enquanto o Hang Seng China Enterprises Index apresentou um declínio de 1 por cento, estendendo sua descida mais aguda desde agosto na segunda-feira. O yuan avançou em relação ao nível mais baixo em cinco anos.

Os fundos do governo chinês adquiriram ações locais na terça-feira, disseram pessoas informadas sobre o assunto, que pediram anonimato porque a compra não foi revelada ao público. A Comissão Reguladora de Títulos da China pediu verbalmente que as bolsas informassem às empresas listadas que a proibição de seis meses à venda aplicada aos grandes detentores de ações continuará em vigor depois de 8 de janeiro, disseram as pessoas.

A reguladora chinesa também sugeriu que está aberta a ajustar os circuit breakers. O banco central conduziu as maiores operações de recompra reversa desde setembro, injetando recursos no sistema financeiro depois que as taxas do mercado monetário atingiram o nível mais alto em oito meses.

Moedas

A lira turca teve uma desvalorização de 0,4 por cento em relação ao dólar. O rand sul-africano caiu 0,2 por cento. O zloty polonês teve um declínio de 0,2 por cento em relação ao euro.

Um indicador de moedas que monitora 20 taxas de câmbio em relação ao dólar perdia 0,2 por cento após cair 0,8 por cento na segunda-feira e fechar em uma mínima recorde. A moeda brasileira ajudava a limitar os declínios com uma valorização de 0,3 por cento.

O prêmio que os investidores exigem para manter bonds de mercados emergentes em vez de títulos do Tesouro dos EUA diminuiu em 2 pontos-base para 418. A diferença aumentou 61 pontos-base em 2015, a maior em quatro anos.

Título em inglês: Emerging Markets in Flux as China Takes Steps to Shore Up Stocks

Para entrar em contato com os repórteres: Ian Sayson, em Manila, isayson@bloomberg.net; Nupur Acharya, em Mumbai, nacharya7@bloomberg.net;Maria Levitov, em Londres, mlevitov@bloomberg.net

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos