Bolsas

Câmbio

Mercado desmonta apostas em alta da Selic

Josué Leonel

(Bloomberg) -- Não poderia ser diferente. Se o mercado questionou a decisão do Banco Central de manter a Selic estável depois de sinalizar o contrário nas semanas anteriores, repetindo o "cavalo de pau" de agosto de 2011, as críticas também deveriam ser esperadas para a ata da reunião, divulgada nesta quinta-feira. Para os analistas, o BC reforçou uma postura mais branda, ou "dovish" como se diz no mercado, em relação à inflação. O documento, visto como em linha com os sinais mais amplos de mudança na política econômica, seria uma repetição do erro de política monetária de cinco anos atrás, segundo o economista José Marcio Camargo, sócio e economista-chefe da Opus Gestão de Recursos.

A alta da Selic projetada pelo mercado para os Copoms de março e abril, que estava em, respectivamente, 23,6 e 16,4 pontos ontem, caiu para 16,15 e 11,50 pontos hoje após a ata. Considerando-se que os juros no mercado também embutem outros riscos, como os políticos, e não apenas a expectativa para a Selic, as projeções de alta já são apenas marginais e se aproximam de zero.

Foi uma "tentativa canhestra" de justificar a decisão do Copom de não subir o juro apesar da piora das expectativas de inflação, diz Camargo. Para ele, o BC ignora a piora das expectativas, que são "o fundamento do regime de metas de inflação."

Camargo viu na ata vários sinais de um BC menos comprometido em usar a alta de juros para conter a inflação. Um deles, no parágrafo 22, foi a retirada da expressão "expectativas de inflação", substituída por "incertezas geradas pelos baixos preços do petróleo e suas implicações para empresas do setor e países produtores, bem como para os mercados financeiros em geral, com riscos para a estabilidade financeira global."

Para Camargo, outro sinal de menor comprometimento foi ter passado a dizer que a política monetária está "vigilante", e não mais "especialmente vigilante", como na ata anterior. Um terceiro sinal foi dizer que o BC vai continuar monitorando o cenário para definir seus próximos passos , mas sem definir um prazo. Na ata anterior, o BC dizia claramente que seria "até sua próxima reunião."

Camargo diz que, ainda que as incertezas sobre a China e o petróleo tenham aumentado, como relata o BC na ata do Copom, isso não justifica ter mantido a Selic estável, pois não há garantia de que a turbulência externa ajuda a diminuir a inflação no Brasil. Pode até atrapalhar, pois o maior risco externo, se for concretizado, tende a pressionar o dólar, gerando mais inflação, e não menos, diz o economista.

Também para o economista do BBVA, Enestor dos Santos, a análise de que a queda do petróleo e outras matérias primas ajudará a reduzir a inflação não é tão óbvia, pois a baixa das commodities poderia gerar desvalorização do real e aumento dos preços domésticos. "Vejo um BC um pouco apressado em mostrar que o impacto vai derrubar inflação e demasiado peso no setor internacional."

Camargo, da Opus, considera um equívoco a decisão do BC e também a mudança de rota do governo como um todo, ao tentar estimular o crédito. Para ele, a população já está muito endividada e o baixo crescimento se deve à falta de confiança, não de crédito. O governo deveria fazer reformas e reduzir os custos da economia, e não aumentar com elevações de impostos e do salário mínimo. "Estamos estimulando a inflação e não a produção", diz o economista.

Roberto Padovani, economista-chefe do Banco Votorantim, também questiona o fato de o BC colocar ênfase no cenário externo e desprezar o fato de a inflação estar se desviando do centro da meta. Para ele, o mercado tende a zerar todas as apostas em altas de juros e mais à frente poderá passar a considerar até mesmo cortes. Além de a mensagem do BC na ata ter se tornado mais branda, ela é coerente com os sinais de mudança na política econômica, afirma Padovani. Para ele, há um "novo ambiente", que favorece uma política mais dovish por parte do BC.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos