Bolsas

Câmbio

Fed começa a conquistar traders com expectativa aumento inflação

Liz Capo McCormick, Anchalee Worrachate e Susanne Walker Barton

(Bloomberg) -- Quando se trata de inflação, traders de bonds estão finalmente começando a ouvir o Federal Reserve.

Após tentar, e não conseguir, convencer os investidores que a íngreme queda da inflação no ano passado foi apenas um ligeiro desvio de curto prazo, o Fed está conseguindo ganhá-los. Desde meados de fevereiro, as perspectivas dos preços ao consumidor subiram dos pontos mais baixos pós-crise com a retomada do petróleo e a presidente Janet Yellen sinalizando uma disposição a deixar a economia dos EUA esquentar antes de elevar as taxas de juros novamente. Por uma medida, as expectativas do mercado tiveram maior alta no mês passado desde 2011.

Acertar é crucial. Alguns economistas dizem que o Fed está brincando com fogo porque a linha entre estimular a inflação apenas o suficiente e excesso de inflação está desaparecendo, e a história mostra que uma vez que os preços ao consumidor começam a aumentar seriamente, são difíceis de controlar.

No entanto, pelo menos por enquanto, os investidores estão confiantes de que Yellen pode evitar que as coisas fujam do controle. Eles não estão exigindo mais compensações para possuir títulos do Tesouro de longo prazo, que perdem mais valor do que a dívida de curto prazo quando a inflação sobe, e os yields de 10 anos têm caído desde que o Fed elevou as taxas em dezembro.

O Fed "pode ter finalmente alinhado coisas suficientes para que isso aconteça", disse Mark MacQueen, cofundador da Sage Advisory Services, que administra US$ 12 bilhões em Austin, Texas. "O mercado está correto em antecipar aumentos, em vez de uma inflação mais baixa".

O Fed vem tentando levar a inflação de volta à sua meta declarada de 2 por cento desde maio de 2012. O banco central diz que vai apoiar a expansão dos EUA, promovendo o crescimento dos salários e gastos do consumidor. Esse esforço foi prejudicado no ano passado com a queda no petróleo, preocupações com a deflação na Europa e no Japão, e um dólar mais forte, tudo conspirando para manter pressionados os preços nos EUA.

Essas preocupações levaram alguns no mercado de bonds a questionar se a inflação chegaria perto da meta do Fed.

Empatar

Mas isso começou a mudar. Enquanto uma grande razão tem sido a recuperação dos preços das commodities, também há sinais de que as políticas de dinheiro fácil do Fed - taxas baixas e trilhões de dólares em compra de bonds - estão finalmente aumentando os preços. Excluindo os voláteis custos de alimentos e energia, os preços ao consumidor aumentaram 2,3 por cento em fevereiro em relação ao ano anterior. Nível mais alto em mais de sete anos, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Uma medida central semelhante com base no indicador da inflação preferido do Fed também melhorou, atingindo maior alta em três anos de 1,7 por cento.

Isso ajudou a mudar as expectativas do mercado para a inflação nos próximos anos. Usando taxas de equilíbrio, que medem a diferença entre yields dos títulos do Tesouro e a dívida indexada à inflação comparável, como forma de avaliar as perspectivas do mercado de títulos para os aumentos do custo de vida, os investidores veem a inflação média de 1,46 por cento ao ano durante os próximos cinco anos.

Sem teto

Yellen fez sua parte quando ressaltou em um discurso no Clube Econômico de Nova York em 29 de março que "o cuidado é especialmente garantido" no aumento das taxas por causa dos ventos contrários da economia global e a manutenção de uma folga nos mercados de trabalho, mesmo quando deixou claro que os responsáveis pela política poderiam rapidamente reverter o curso, se necessário. Duas semanas antes, as autoridades do Fed forneceram um prelúdio cortando suas perspectivas de aumentos de taxas este ano de quatro para dois.

E em 7 de abril, Yellen disse em um painel que, enquanto os responsáveis pelas políticas do Fed não estão intencionalmente tentando "superar" a meta de 2 por cento, é um alvo e "não um teto".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos