Bolsas

Câmbio

Credit Suisse e Deutsche Bank são pressionados por investidores

Nicholas Comfort, Donal Griffin e Jeffrey Vögeli

(Bloomberg) -- Investidores, reguladores e funcionários saudaram John Cryan e Tidjane Thiam como líderes que poderiam transformar os dois grandes bancos de investimento da Europa. Menos de um ano em seus postos de trabalho, a alegria desapareceu.

Os CEOs do Deutsche Bank e Credit Suisse estão espremidos entre investidores que os pressionam para aumentar a rentabilidade e funcionários desmoralizados por cortes de empregos, salários mais baixos e críticas contundentes de seus chefes. As ações dos dois bancos caíram mais de 30% este ano, tocando os preços mais baixos em décadas.

Os dois homens assumiram com mandatos para lidar com negociação de dívidas, tecnologia ultrapassada e controles fracos que contribuíram para fazer com que as crescentes custos legais consumissem seu capital.

Desde então, a desaceleração do mercado levou alguns investidores a questionar se os planos são suficientes, enquanto outros alertam que um corte tão profundo de gastos vai mergulhar as empresas ainda mais em crise, esmagando a motivação dos principais funcionários.

"No ambiente de receitas que temos hoje, a necessidade de ir mais longe nos custos é quase inevitável", disse Barrington Pitt Miller, analista da Janus Capital, uma das 50 maiores acionistas do Deutsche Bank. "Mas temos que admitir que não avançamos nesses planos, e precisamos ver os bancos fazendo o que disseram que fariam".

Desânimo

O ânimo do Deutsche Bank já estava em declínio quando Cryan, 55, substituiu o co-CEO Anshu Jain em julho. Uma pesquisa interna descobriu que o compromisso dos funcionários tinha caído em junho comparado com o ano anterior.

Tanto ele quanto Thiam, de 53 anos, que entrou no Credit Suisse em junho, afastaram funcionários e traders com cortes de empregos, bônus menores e críticas da remuneração excessiva, de acordo com atuais e antigos executivos das duas empresas que pediram para não serem identificados discutindo assuntos internos.

O Deutsche Bank enfrenta uma potencial fuga de cérebros, especialmente entre os jovens de alto desempenho que estão procurando trabalho em bancos que anteriormente não teriam considerado, de acordo com um executivo.

O plano da empresa para reequilibrar a compensação cortando bônus enquanto aumenta os salários de alguns funcionários também é desencorajador para alguns altos funcionários, disse a fonte. Vários veteranos começaram a sair do escritório mais cedo porque já não têm o mesmo incentivo para trabalhar, de acordo com a fonte.

Michael Golden, porta-voz do Deutsche Bank, disse que a empresa não está tendo nenhum problema para reter ou atrair funcionários.

"Refrescante mudança"

Alguns investidores criticam como o Credit Suisse aloca recursos. Gestores de fundos suíços questionaram o Presidente do banco, Urs Rohner, no mês passado sobre a distribuição dos lucros entre os bônus aos funcionários e acionistas, mesmo depois que o banco cortou 11% de seu conjunto de bônus em 2015, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto que pediram para não serem nomeados porque a reunião foi privada.

Alguns funcionários ficaram gratos a Cryan, do Deutsche Bank, por ele ter identificado os problemas do banco de forma tão clara, de acordo com um representante dos trabalhadores na empresa.

Os reguladores e legisladores no país de origem do Deutsche Bank também apoiam Cryan. O supervisor dos bancos alemães, Bafin, vê o foco em sistemas de tecnologia como algo há muito esperado, enquanto um assessor da chanceler Angela Merkel saúda a transparência que ele trouxe à empresa.

O assessor, que falou sob condição de anonimato, disse que a Alemanha precisa do Deutsche Bank para oferecer seus serviços e está à procura de sinais no segundo ou terceiro trimestre de que o banco pode se recuperar.

Os investidores também querem ver evidências os bancos podem cumprir as suas promessas.

"Retidão e honestidade são uma mudança refrescante", disse Eddie Perkin, diretor de investimento da Eaton Vance de Boston, que administrava US$ 315,1 bilhões até o final de março e é o 15º maior acionista do Credit Suisse.

"Os investidores em bancos de investimento ficaram desapontados por muito, muito tempo. Os investidores em ações se tornaram cínicos sobre anúncios de reestruturação, mudanças de estratégia e metas financeiras. Eles estão na fase de expectativa".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos