BP é petroleira com maior exposição a cortes Opep-Rússia

Rakteem Katakey

(Bloomberg) -- As grandes petroleiras multinacionais poderão ter que fazer sua parte para reduzir a oferta após o acordo histórico entre produtores da Opep e de fora do grupo, na semana passada.

A BP tem a maior exposição nos 13 países que afirmaram até o momento que reduzirão sua produção, segundo dados da empresa Rystad Energy. A provável participação da Rússia, onde a BP possui participação de 20% na Rosneft, a coloca à frente das concorrentes Total, Royal Dutch Shell, Exxon Mobil, Eni e Chevron, segundo os dados.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que controla cerca de 40% do petróleo do mundo, assumiu a tarefa de elevar os preços e reanimar o setor com os primeiros cortes à produção em oito anos.

As petroleiras, que viram os lucros serem esmagados e os projetos atrasados ou cancelados durante a queda dos preços, caminham para o melhor desempenho anual de suas ações desde 2009. Mas apesar de o acordo impulsionar seu valor de mercado, as grandes petroleiras precisarão suportar parte da carga.

"Se a Rússia reduzir sua produção, acreditamos que os campos operados pela Rosneft serão afetados", disse Espen Erlingsen, vice-presidente de análises da Rystad. "No Iraque o governo também precisará reduzir a produção dos grandes campos de Basra. Lá, o Rumaila, operado pela BP, é um provável candidato a cortes."

'Temos que cumprir'

A Total vem atrás da BP, com 670 mil barris por dia em produção nos países, segundo a Rystad. A quantidade inclui 288.000 barris por dia em Angola e 240 mil barris nos Emirados Árabes Unidos.

Um corte da Opep de cerca de 700 mil barris por dia -- mais modesto do que o total de 1,2 milhão de barris finalmente acertado -- reduziria a produção da Total em 2% a 3% nos países da Opep, disse o CEO Patrick Pouyanne à Mees, uma publicação do setor, em 25 de novembro, antes de o acordo ser fechado.

"Temos que cumprir", disse ele. "O acordo pode limitar nossa produção em Abu Dhabi e possivelmente no Catar. Fizemos isso no passado e o faremos novamente se necessário."

Procurado, um porta-voz da Total preferiu não fazer comentários adicionais.

A Shell tem 586 mil barris por dia de produção nos países que aderiram ao acordo, a Exxon tem 563 mil barris, a Eni possui 497 mil barris e a Chevron, 194 mil barris, segundo a Rystad. Porta-vozes da Shell, da Eni e da Chevron preferiram não comentar e a Exxon não respondeu imediatamente aos pedidos de comentário.

A Rússia responde por cerca de metade do total de 1,6 milhão de barris por dia que a BP possui nos países. A empresa é também a maior petroleira multinacional em Angola, onde produz 310 mil barris diários, segundo a Rystad. Procurado, um porta-voz da BP preferiu não comentar os dados, nem informar se a empresa iniciou discussões com governos sobre o corte da produção.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos