Bolsas

Câmbio

Fox e Telemundo já lucrariam US$ 500 mi com Copa do Mundo 2026

Tariq Panja

(Bloomberg) -- A escolha do Catar para organizar a Copa do Mundo de 2022 foi controversa desde o início. À parte as dúvidas em torno do processo de seleção, as temperaturas no verão normalmente chegam a 50 graus Celsius, nível que até mesmo os especialistas da Fifa afirmam que representa riscos à saúde dos melhores jogadores do mundo e dos milhões de fãs que deverão viajar para o evento disputado por 32 equipes.

Ao escolher o estado do Golfo, a Fifa iniciou uma série de decisões desastradas, resolvendo cada problema criando outro -- e gerando uma recompensa inesperada e não intencional para as emissoras Fox e Telemundo que poderia chegar aos US$ 500 milhões.

Devido às temperaturas extremas no Catar, o órgão que administra o futebol mundial queria reprogramar o evento para os meses mais frios do outono. Mas a Fox e a Telemundo já haviam fechado acordo para pagarem US$ 1,1 bilhão para transmitir as edições de 2018 e 2022 da Copa do Mundo. O preço considerava o tradicional período de junho e julho, o que daria às emissoras um evento esportivo com enorme popularidade em uma época em que há poucas outras coisas acontecendo.

Um torneio no outono, por outro lado, colocaria o futebol contra eventos de futebol universitário e profissional e contra o início do basquete e do hóquei. Insatisfeitas, as emissoras disseram à Fifa que estavam "revendo suas opções".

Para evitar uma ação legal, os executivos da Fifa ofereceram à Fox e à Telemundo a chance de comprarem os direitos para o torneio de 2026 em um leilão fechado, sem abertura de ofertas a concorrentes. "Eles fugiram de um problema", disse Patrick Nally, o inglês pioneiro do patrocínio esportivo na Fifa. "Naquele momento a ideia foi simplesmente apagar um incêndio em vez de analisar qual era o processo mais lucrativo e agressivo que poderia ser realizado."

Acordo favorável

As emissoras conseguiram uma pechincha e o negócio melhorou com o tempo. O torneio de 2026 deverá retornar à América do Norte pela primeira vez em mais de 30 anos, com uma tabela expandida de 48 equipes disputando mais partidas do que nunca.

Novos detalhes dos contratos da Fifa revelam que Fox e Telemundo compraram os direitos televisivos de 2026 nos lucrativos mercados americano e canadense pelo mesmo preço da edição de 2022. A Telemundo concordou em pagar pelo menos US$ 350 milhões, sendo que a Fifa receberia um bônus de US$ 115 milhões se os EUA acabassem organizando o evento; o valor pago pela Fox foi de US$ 300 milhões, com bônus de US$ 180 milhões.

O futebol mundial poderia ter ganhado US$ 500 milhões adicionais solicitando ofertas concorrentes, disse um membro do conselho governativo da Fifa, que pediu anonimato porque os contratos não são públicos. Frank Dunne, editor da TV Sports Markets, uma empresa de pesquisa sobre direitos esportivos globais, concorda que a Fifa deixou de ganhar dinheiro. "Independentemente do mecanismo de bônus, eles teriam ganhado mais dinheiro com um processo aberto."

A Fox, que é propriedade da 21st Century Fox, não respondeu aos pedidos de comentário. A Telemundo, uma divisão da Comcast, preferiu não comentar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos