Bolsas

Câmbio

Aumento de preços de casas em Londres estagnou. E agora?

Sharon Smyth

(Bloomberg) -- O período de oito anos de alta para os preços de casas em Londres parece estar chegando ao fim.

Os valores caíram 0,5 por cento de abril a maio, de acordo com o LSL Acadata Home Price Index, e registrarão pouco ou nenhum crescimento neste ano, projeta a corretora Savills. A PricewaterhouseCoopers prevê que o crescimento dos preços continuará desacelerando em 2018 e 2019, porque a incerteza econômica e o aumento dos impostos do selo fiscal sufocam a demanda.

A Bloomberg News pediu que alguns analistas do mercado prevejam o que vai acontecer no mercado imobiliário de Londres, de 1,6 trilhão de libras (US$ 2,1 trilhões).

Queda dos valores

David Adams, diretor da corretora Humberts em Mayfair:

"Na região central de alto nível de Londres houve uma queda no volume de vendas de mais de 50 por cento em relação a um mercado normal, além de uma correção de 15 a 20 por cento nos preços dos imóveis. Os ajustes de volume e valor em Londres sempre geram repercussões. O Partido Conservador pode ter achado que, ao reduzir o selo fiscal para imóveis abaixo de 920.000 libras (US$ 1,2 milhão) e aumentá-lo acima desse patamar, seria possível desacelerar o vagão de primeira classe na frente do trem sem afetar a velocidade dos vagões seguintes. Em vez disso, está havendo um colapso das transações com imóveis do mercado intermediário nos arredores de Londres, e os volumes de vendas estão entre 30 e 40 por cento abaixo dos níveis normais, por isso não é difícil prever que haverá um ajuste de preço de 10 por cento. Isso não é significativo, pois só leva os valores de volta para onde eles estavam alguns anos atrás."

Menos vendas

Neal Hudson, fundador da empresa de pesquisa Residential Analysts:

"O resultado mais provável é que os preços permaneçam altos, com um crescimento mínimo nos próximos dois anos, mas com um volume de negócios muito menor. Isso significa menos compradores devido à distensão da acessibilidade, mas também menos vendedores, pois os proprietários podem esperar tranquilamente devido aos juros baixos das hipotecas. Dito isto, aumentam os riscos de queda: Londres está mais exposta a qualquer aumento nos juros que afetaria mais os bairros com grande número de compradores de primeira viagem. Enquanto isso, o excesso de oferta de novas construções no segmento mais alto e qualquer perda de emprego devido ao Brexit podem agravar qualquer queda nos preços e nos aluguéis em bairros mais centrais."

Pouca mudança de valores

Raj Badiani, diretor de economia da IHS Markit:

"O mercado imobiliário de Londres, caracterizado por uma relação preço-lucro excessivamente alta, está em risco devido às pressões que envolvem o principal polo econômico do Reino Unido. A essência é pessimista e os consumidores estão atravessando uma queda na renda real, ao mesmo tempo em que têm excesso de alavancagem em um momento de pouca capacidade de economizar. Além disso, o setor imobiliário da capital poderia ser atingido pela instabilidade econômica, que gera parâmetros mais estritos para os empréstimos hipotecários. Felizmente, vários fatores devem fornecer uma rede de segurança para limitar o risco de queda dos preços das casas, como o estoque limitado de propriedades à venda, enquanto as taxas de hipoteca marginais e o emprego recorde devem garantir um fluxo constante de novos compradores."

--Com a colaboração de Jon Menon

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos