Goldman Sachs eleva previsão minério em 2017, adverte sobre 2018

Jasmine Ng

(Bloomberg) -- Goldman Sachs aumentou sua previsão para minério de ferro com demanda melhor do que o esperada na China elevando os preços, mas combinou a perspectiva revisada com um aviso de que metal continuará a ser pressionado no próximo ano com perspectivas de abundantes recursos de minas e um excesso de ofeta mundial.

A previsão de três meses foi aumentada de US$ 55 para US$ 70 por tonelada métrica e alvo para fim do ano aumentou US$ 5 a US $ 60 por tonelada, de acordo com um relatório de analistas, incluindo Yubin Fu e Max Layton nesta quinta-feira. No próximo ano, os preços ainda deverão cair, afirmou.

Minério de ferro subiu nas últimas semanas para até US $ 70 por tonelada com demanda sustentada da China, o maior usuário. As usinas de aço no país se beneficiaram do aumento dos preços dos produtos e das fortes margens de lucro depois que o governo fechou capacidade, e os produtores restantes estão fazendo volumes recorde. Isso ajudou a absorver o maior suprimento de minas este ano do Brasil e da Austrália, ajudando empresas como Rio Tinto, BHP Billiton e Vale.

"É provável que vigor nos preços do minério de ferro continue no curto prazo, uma vez que a forte demanda chinesa de aço e minério de ferro de infra-estrutura e novos empreendimentos é complementada por um sólido crescimento em atividade global excluindo China", disseram os analistas. Ainda assim, "enquanto mantemos uma visão relativamente otimista sobre minério de ferro para a segunda metade de 2017, nós temos uma visão de baixa durante 2018."

O minério de ponto com 62% de conteúdo em Qingdao atingiu US$ 70,43 por tonelada seca na quarta-feira depois de ganhar por cinco das seis semanas anteriores, de acordo com Metal Bulletin. Embora tenha se recuperado de uma baixa perto de US$ 50 a tonelada atingida em meados de junho, a matéria-prima permanece em baixa de 11% neste ano.

Futuros de minério de ferro na Ásia subiram nesta quinta-feira, com contratos na SGX AsiaClear chegando a subir 1,5% e na Dalian Commodity Exchange, 1,7%. Nos mercados de aço, vergalhão estava estável na Bolsa de Futuros de Xangai, enquanto a bobina laminada a quente aumentou pelo terceiro dia.

"Pressão para construir"

"Esperamos que a pressão da oferta seja ampliada em 2018, principalmente impulsionada pela Vale, Rio Tinto e BHP", disse Goldman.

Australiana Fortescue Metals está visando exportações de 170 milhões de toneladas no ano fiscal de 2018, uma vez que reduz os custos, de acordo com um comunicado na quinta-feira. O produtor informou aumento nos embarques trimestrais de junho que superaram as estimativas dos analistas, e seu desempenho segue a produção recorde da Vale.

As maiores previsões de curto prazo da Goldman seguem uma perspectiva de alta do BNP Paribas, que recomendou posição comprada de investidores, enquanto vê possibilidade de preços atingirem cerca de US$ 80 até o final de 2017. A Westpac também disse que o atual rali pode se prolongar por algum tempo, mas alertou sobre potencial retorno do preço para US$ 40 em 2018.

"Esperamos que a abundante produção de minério de ferro entre no mercado em 2018", disse Goldman. "Na maioria dos casos, isso é de baixo custo, o que colocaria pressão negativa sobre nossa previsão de preços. Isso é muito diferente de 2017, onde esperamos que o mercado marítimo seja equilibrado".

(Atualiza os preços futuros no sexto parágrafo.)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos