Bolsas

Câmbio

Combate à corrupção deixa economia da Guatemala no marasmo

Michael McDonald

(Bloomberg) -- O combate à corrupção nem sempre é bom para as empresas, especialmente quando ela é tão grande como era na Guatemala.

No país centro-americano, a luta contra a corrupção paralisou um terço dos projetos rodoviários deste ano e fez com que outros projetos fossem adiados, como a construção de novos hospitais, depois de ter colocado um ex-presidente, uma ex-vice-presidente e um ex-presidente do banco central atrás das grades. A situação ficou tão ruim que as empresas estão com medo de licitar em contratos do governo.

"As ofertas continuam caindo", disse o presidente Jimmy Morales no mês passado. "As empresas nem querem dar lances, não querem trabalhar com o governo."

As medidas repressivas prejudicaram os esforços do governo para impulsionar o crescimento atualizando estradas e aeroportos, e a economia do empobrecido país se expandiu no ritmo mais lento em cinco anos no segundo trimestre. Planos de expandir rodovias nas principais rotas comerciais do país, que conectam a Guatemala com o México e El Salvador, estão parados enquanto o governo busca novas empreiteiras, porque as empresas estão com medo de se envolver em investigações criminais.

Na semana passada, o governo anunciou que liquidaria um contrato de expansão rodoviária de US$ 384 milhões atribuído à construtora brasileira Odebrecht devido aos receios de suborno. O ministro da Infraestrutura, Aldo García, disse em entrevista concedida em 3 de agosto ao El Periódico que pelo menos 23 dos 70 projetos de infraestrutura que o Ministério planejava construir neste ano estão parados porque as empresas contratadas para construí-los foram acusadas de corrupção.

Além da Odebrecht

A corrupção vai além do esquema regional de propinas operado pela Odebrecht, que paralisou o investimento em projetos do Peru à República Dominicana. Aumentaram as denúncias criminais de corrupção na Procuradoria-Geral da Guatemala, de acordo com o ministro das Finanças, Julio Héctor Estrada.

Em 14 de julho, as autoridades emitiram mandados para a prisão de um ex-ministro da Infraestrutura, acusado de aceitar subornos, e de um ex-embaixador dos EUA por sua suposta participação no financiamento ilegal de campanha. Três dias depois, o governo declarou estado de calamidade de 30 dias, suspendendo alguns regulamentos de licitação na tentativa de reanimar alguns dos projetos paralisados. O crescimento econômico desacelerou para 3,1 por cento em 2016, o ritmo mais lento desde 2012.

"Quando se tem um sistema corrupto, esse sistema corrupto afasta a maneira mais normal de fazer negócios", afirmou o especialista do Banco Interamericano de Desenvolvimento Roberto de Michele. "Levará algum tempo para que as pessoas recuperem a confiança na legalidade do processo."

Estrada disse que espera que a confiança seja recuperada já em 2018.

O Ministério das Finanças apresentou um orçamento preliminar para o próximo ano que propõe um aumento de 10 bilhões de quetzais (US$ 1,4 bilhão) nos gastos, para 87 bilhões de quetzais. A carga da dívida e o déficit, que ficarão abaixo das previsões neste ano, vão aumentar no próximo ano porque o governo tentará reanimar projetos que estão parados, disse Estrada.

"Não podemos simplesmente parar de fazer o que não conseguimos construir neste ano", disse Estrada em uma entrevista coletiva à imprensa na terça-feira. "Nós teremos que fazer o dobro no ano que vem."

Para entrar em contato com o repórter: Michael McDonald em Boston, mmcdonald10@bloomberg.net.

Para entrar em contato com a editoria responsável: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net.

©2017 Bloomberg L.P.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos