Renault e Nissan expandem aposta elétrica na China com Dongfeng

Bloomberg News

(Bloomberg) -- A aliança Renault-Nissan está ampliando sua aposta na China, unindo-se à Dongfeng Motor Group em seu primeiro veículo elétrico projetado localmente em meio ao endurecimento das regras para as emissões no maior mercado automotivo do mundo.

A Renault, a Nissan Motor e a Dongfeng formaram uma joint venture para desenvolver um modelo movido a bateria baseado em uma plataforma de um veículo utilitário esportivo pequeno desenvolvida pela aliança franco-japonesa, informaram as empresas nesta terça-feira. O veículo deverá ser exibido em 2019.

As fabricantes de automóveis estão acelerando o investimento em veículos elétricos na China para cumprir as regras ambientais mais rígidas que deverão entrar em vigor nos principais mercados. A partir do ano que vem, as fabricantes de automóveis que não cumprirem os limites das emissões e de economia de combustível baseados na frota poderão receber multas, segundo a nova estrutura de limite e comércio de emissões da China.

Na semana passada, a Ford Motor afirmou que estudará a formação de um empreendimento com a Anhui Zotye Automobile para produzir veículos elétricos. Em maio, a Volkswagen recebeu aprovação para parceria com a Anhui Jianghuai Automobile Group para produzir carros elétricos. A Daimler e a BMW também possuem marcas de carros elétricos por meio de suas parcerias com a BYD e a Brilliance China Automotive Holdings, respectivamente.

A Renault e a Nissan possuem, cada uma, 25 por cento da eGT New Energy Automotive, enquanto a Dongfeng Motor é dona do restante, disseram as empresas. A porta-voz da Renault-Nissan preferiu não dar detalhes sobre o investimento para o empreendimento, que iniciou suas operações em julho. A Dongfeng é uma parceira de longa data das empresas francesa e japonesa e atualmente produz os SUVs Kadjar com a Renault e os sedãs Teana com a Nissan na China. A Dongfeng produzirá o veículo elétrico em uma fábrica em Shiyan, na província de Hubei.

Domínio da China

Apesar de o Nissan Leaf ser montado na China continental e vendido como Venucia e30 desde 2014, o novo veículo elétrico -- que segundo a empresa custará em torno de US$ 8.000 -- será o primeiro modelo da aliança projetado do zero na China. A fabricante de automóveis japonesa tem tido dificuldades para vender o Leaf, principalmente porque seu preço é muito elevado em comparação com a maioria dos veículos elétricos produzidos localmente. Como parte de seu reposicionamento, neste mês a Nissan vendeu uma subsidiária que produz baterias para o Leaf para a firma chinesa de private equity GSR Capital por cerca de US$ 1 bilhão.

A Dongfeng tem fechado parcerias ativamente com fabricantes de automóveis internacionais. A fabricante com sede em Wuhan, Hubei, adquiriu uma participação de 14 por cento na PSA Group em 2014 e produz SUVs e sedãs para a marca Citroën da empresa francesa. A Dongfeng também é parceira da Honda Motor e da Kia Motors.

A aliança tripla de Renault, Nissan e Mitsubishi Motors é a maior fabricante de carros elétricos populares do mundo. As vendas acumuladas de veículos como o Leaf, o Renault Zoe e o Mitsubishi i-Miev totalizaram 481.000 unidades até o fim de junho.

--Com a colaboração de Ania Nussbaum

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos