PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Porto Rico fala em energia solar, mas recebe turbinas a diesel

Naureen S. Malik

16/10/2017 14h02

(Bloomberg) -- Enquanto o governador de Porto Rico fala em usar painéis solares e baterias para reconstruir a rede elétrica, destruída pelo furacão Maria, a ilha está importando mais geradores movidos a combustíveis fósseis para voltar a acender as luzes.

Nesta semana, um navio carregado com duas turbinas a diesel aportou em San Juan. Elas foram entregues no sábado à usina de energia de Palo Seco, um dos poucos complexos ainda conectados a linhas de transmissão operantes capazes de levar energia a casas e empresas da capital. Até 25 de outubro, as turbinas estarão queimando cerca de 320.000 litros de diesel por dia para gerar eletricidade, disse o CEO da APR Energy, John Campion. A empresa com sede em Jacksonville, na Flórida, entregou as turbinas alugadas como parte de um contrato de US$ 35,1 milhões com o Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA.

Mais de três semanas depois de o furacão Maria atingir Porto Rico e destruir a rede elétrica local, 85 por cento do país, que é território dos EUA, continua sem energia. E apesar de instaladores de tecnologia solar estarem transportando painéis por avião até a ilha, as turbinas a diesel mostram que, mesmo em dívidas, Porto Rico está fazendo o possível para trazer a luz de volta. O governador Ricardo Rossello ressaltou a importância da ajuda federal para os esforços de restauração após a advertência do presidente dos EUA, Donald Trump, no Twitter, na quinta-feira, de que as agências dos EUA não podem ficar na ilha "para sempre".

"É uma situação difícil" para Porto Rico, disse Campion, por telefone, no sábado. Após uma grande tempestade em Houston ou na Flórida, disse ele, "a geração sobrevive, a transmissão sobrevive e normalmente chegam 500 trabalhadores de linha com caminhões para ligar a última ponta. O problema de Porto Rico é que o furacão afetou a geração, a transmissão e a distribuição".

As turbinas alugadas da APR mais do que dobrarão a geração para cerca de 90 megawatts em Palo Seco, onde a maioria das unidades já havia sido tirada de serviço. O número contrasta com os cerca de 1.200 megawatts que San Juan usa em um dia típico. A expectativa é que os geradores ajudem com as constantes quedas das linhas de transmissão, que para Rossello são responsáveis pelas contínuas falhas elétricas que provocam apagões em San Juan aparentemente todos os dias.

As novas unidades serão capazes de queimar diesel para fornecer energia a 18,15 centavos de dólar por quilowatt-hora -- e poderia fazê-lo a um custo ainda menor por meio da queima de gás natural liquefeito ou de gás de petróleo liquefeito, segundo Campion. Ele disse que Rossello estava presente quando as turbinas chegaram a Palo Seco, no sábado. Em comunicado divulgado pouco depois, Rossello apresentou um plano para restauração de 95 por cento da energia da ilha até 25 de dezembro, cronograma mais agressivo já anunciado pelo governo.

As estimativas anteriores para restauração da energia na ilha variavam de seis meses a um ano.

--Com a colaboração de Hani Shawwa