ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Telhados de microempresas são arma secreta da meta solar indiana

Anindya Upadhyay

06/03/2018 12h13

(Bloomberg) -- Rakshith Kunder está instalando mais painéis solares no telhado de seus armazéns. O objetivo não é salvar o planeta, é uma questão puramente econômica.

"A energia solar custa apenas um terço do preço da energia da rede elétrica e também reduziu o custo com geradores a diesel de reserva", disse Kunder, 33, por telefone, da cidade de Kota, no estado de Karnataka, no sul do país. A fabricante de derivados de farinha e óleo de peixe de 3 bilhões de rúpias (US$ 46 milhões) utiliza dois megawatts de energia e ele planeja abastecer metade do consumo por meio de instalações solares.

Empresas como a de Kunder são o próximo alvo do governo do primeiro-ministro Narendra Modi, que busca alcançar 100 gigawatts em instalações solares até 2022. A expectativa é que, desse total, 40 gigawatts venham de painéis instalados em telhados. As pequenas empresas, que respondem por cerca de um terço da economia da Índia, de US$ 2 trilhões, sofrem com as contas de luz elevadas e a oferta inconstante, que as obrigam a recorrer a geradores a diesel, caros e poluentes, para manter as luzes acesas.

Os painéis solares para telhados são o segmento de mais rápido crescimento no campo das energias renováveis na Índia, impulsionado por grandes clientes, segundo pesquisa da Bloomberg New Energy Finance. A contribuição das empresas de pequeno e médio porte era limitada até recentemente, disse Shantanu Jaiswal, chefe de pesquisa da BNEF India em Nova Déli.

"Essas empresas acabavam limitadas pelo conhecimento da tecnologia e pela capacidade de reunir capital para o pagamento inicial, mas agora as duas questões estão sendo solucionadas", disse.

Uma empresa que está facilitando o caminho das pequenas firmas rumo a um futuro solar é a Orb Energy, com sede em Bangalore. Ela levantou US$ 10 milhões em dívidas com a Overseas Private Investment em janeiro para oferecer facilidades de financiamento a pequenas empresas que buscam comprar um sistema de painéis solares para telhado.

Sistemas maiores

Dois terços das vendas anuais da Orb são destinadas a pequenas e médias empresas, que estão comprando sistemas maiores, disse o CEO Damian Miller. O tamanho médio das instalações realizadas pela empresa é de 200 quilowatts no período de um ano que termina em 31 de março, o dobro de apenas um ano atrás, segundo Miller.

"As pequenas empresas estão se acostumando à ideia de que a energia solar é mais barata que a da rede", disse.

Também ajuda que o preço da energia solar na Índia tenha caído para 2,44 rúpias por quilowatt-hora (3,7 centavos de dólar), um dos mais baixos do mundo. O custo dos painéis solares de telhado da Índia para clientes residenciais e comerciais é comparável ao de algumas das regiões mais ensolaradas da Austrália e dos EUA, segundo a BNEF.

O Banco Mundial também entrou no jogo com um empréstimo de US$ 625 milhões para respaldar o programa de painéis solares de telhado da Índia. Os recursos serão utilizados para oferecer empréstimos e garantias às pequenas empresas, disse Simon Stolp, especialista em energia líder do Banco Mundial, por e-mail.

Dos 533 megawatts em projetos nesta linha de crédito, vários foram entregues a empresas, hospitais e instituições educacionais de pequeno porte, disse Stolp.

Mais Economia