Bolsas

Câmbio

Ciberataque afeta empresas de serviços públicos nos EUA

Naureen S. Malik e Ryan Collins

(Bloomberg) -- Um ciberataque que afetou as operações de pelo menos quatro empresas de gasodutos no fim da semana passada também provocou mudanças dentro do setor de empresas de serviços públicos.

A Duke Energy, a segunda maior concessionária dos EUA por valor de mercado, afirmou que soube do ataque em 30 de março. A Duke se preocupou porque compartilha dados de clientes com dezenas de fornecedores externos de eletricidade e gás em Ohio através de um sistema eletrônico operado pela Energy Services Group (ESG), a empresa de dados que foi hackeada.

Temendo o comprometimento dessas informações, a Duke, com sede em Charlotte, Carolina do Norte, abandonou o sistema da ESG, disse Catherine Butler, porta-voz da Duke, por e-mail. Como resultado, alguns clientes em Ohio podem receber com atraso a conta de luz mensal ou talvez recebam contas parciais, disse ela.

Por sua vez, a ESG informou na quarta-feira que seus sistemas voltaram a funcionar. "Estamos concluindo testes e a validação do sistema para que todos os clientes voltem a uma operação segura" e a companhia está trabalhando com uma das principais empresas de investigação de crimes cibernéticos, disse Carla Roddy, diretora de marketing da ESG, por e-mail.

Pelo menos cinco operadoras de gasodutos dos EUA anunciaram que seus sistemas eletrônicos de comunicações foram desligados nos últimos dias, e quatro confirmaram que as interrupções no serviço foram causadas por um ciberataque. A Energy Transfer Partners, a Boardwalk Pipeline Partners, a Eastern Shore Natural Gas, que é uma unidade da Chesapeake Utilities, e a Portland Natural Gas Transmission System, que é operada pela TransCanada, foram algumas das empresas afetadas pela paralisação dos dados, e a Oneok informou que desligou seu sistema por precaução.

Os sistemas eletrônicos da ESG ajudam os operadores de gasodutos a acelerar o monitoramento e a programação dos fluxos de gás. A empresa também fornece preços da eletricidade e modelos de demanda de que os fornecedores de eletricidade dependem para elaborar a conta de residências e empresas, e para determinar o volume da oferta que deve ser reservada para clientes em mercados atacadistas, disse Michael Harris, CEO da Unified Energy Services, uma consultoria com sede em Houston.

Alvo tentador

Os sistemas de gás natural e as redes elétricas estão se tornando cada vez mais eletrônicos graças à atualização da infraestrutura antiga. Hackers tendem a atacar a infraestrutura de energia por causa da magnitude do impacto do setor na vida das pessoas, disse Scott Coleman, diretor de marketing e gestão de produtos da Owl Cyber Defense, que trabalha com produtores de petróleo e gás.

Se um hacker paralisar uma subestação elétrica, 20.000 pessoas podem ser afetadas, disse ele.

"Continuamos descobrindo mais informações sobre os incidentes cibernéticos que afetam os sistemas das operadoras de gasodutos, como os da Energy Transfer Partners, mas já deveria estar bem claro que todas as empresas enfrentam riscos com a segurança cibernética", disse o representante James Langevin, um dos presidentes da convenção bipartidária de segurança cibernética do Congresso dos EUA.

--Com a colaboração de Brian K. Sullivan Joe Carroll Meenal Vamburkar Jim Polson Christopher Martin e Tim Loh

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos