PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Armazém de petróleo da África cresce após enriquecer tradings

Paul Burkhardt

29/05/2018 12h57

(Bloomberg) -- Para os traders de petróleo, não há lugar como a Baía de Saldanha. Quando os preços caíram em 2014, as tradings geraram lucros descomunais armazenando milhões de barris de petróleo no porto de águas profundas localizado ao norte da Cidade do Cabo.

Agora, as instalações de armazenagem do porto -- onde a África do Sul construiu enormes depósitos de concreto na década de 1970 que ajudaram a isolar o regime do apartheid das sanções ao petróleo aplicadas pela Organização das Nações Unidas -- estão sendo expandidas.

Saldanha poderia ter se transformado em um elefante branco, mas manteve um potencial comercial imprevisto. Quando surgiu no mercado de petróleo uma estrutura de preços conhecida como contango, os traders conseguiram garantir lucros armazenando petróleo para entrega futura a compradores de outras partes. Isso aconteceu em 2009 e novamente quatro anos atrás, quando empresas como Mercuria Energy Group e Vitol Group usaram as instalações. Apesar de essas oportunidades terem evaporado quando o petróleo se recuperou, a importância estratégica da rota de navegação em torno do Cabo da Boa Esperança cresceu.

"Não há nada que realmente se compare à Baía de Saldanha", disse Joe Willis, analista sênior de pesquisa da Wood Mackenzie, que destaca sua acessibilidade aos superpetroleiros que operam em uma rota marítima que conecta os principais mercados da Ásia, da Europa e das Américas. "É bastante singular, e por mérito próprio."

Após a libertação de Nelson Mandela e o fim das sanções, o Fundo Estratégico de Combustível da África do Sul liquidou gradualmente suas reservas e começou a alugar seis tanques de concreto de Saldanha -- que em fotos de satélite lembram uma fila de chips de computadores em uma placa de circuito -- para tradings.

Cerca de 5,8 milhões de barris por dia de petróleo bruto foram transportados em torno do Cabo da Boa Esperança em 2016 e representaram cerca de 9 por cento de todo o petróleo comercializado pelo mar no ano anterior, segundo a Administração de Informação de Energia dos EUA.

Ganhos de capacidade

A Baía de Saldanha atualmente é capaz de armazenar até 45 milhões de barris, o suficiente para encher mais de 20 grandes petroleiros. Para efeito de comparação, Cushing, o mais conhecido centro de armazenagem de petróleo dos EUA, em Oklahoma, que serve de ponto de fixação de preço do petróleo de referência West Texas Intermediate, pode guardar cerca de 75 milhões de barris.

A capacidade de Saldanha crescerá quase 30 por cento com a adição de mais de 13 milhões de barris em instalações de armazenagem e mistura até o fim do ano que vem, segundo uma joint venture da Oiltanking, que tem sede em Hamburgo e é a segunda maior provedora de armazenagem de petróleo independente, e a empresa local MOGS.

Após a bonança do contango, no fim de 2017 os traders venderam o petróleo armazenado em Saldanha, uma vez que os preços mais do que dobraram. Durante a maior parte de 2015 e 2016 e o início de 2017, o mercado permaneceu em contango, o que permite que os traders comprem e armazenem petróleo para garantir lucro em uma venda mais adiante com hedging futuro.

--Com a colaboração de Andy Hoffman, Javier Blas e Rupert Rowling.

PUBLICIDADE