PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Perdas aumentam e cartões reduzem crédito ao consumidor nos EUA

Ivan Levingston e Jenny Surane

22/08/2018 10h45

(Bloomberg) -- Os devedores com menor capacidade de pagamento voltaram a assustar os bancos nos EUA.

No primeiro trimestre, emissores de cartões de crédito reduziram o valor médio disponível para esses clientes em 10 por cento, na comparação com um ano antes. O levantamento é da TransUnion. Essa redução contribuiu para a diminuição do limite médio de empréstimos tomados em novas contas de cartão de crédito em 3 por cento para US$ 5.649. Foi a primeira queda em pelo menos três anos, segundo a TransUnion.

O movimento representa uma reversão após anos em que os bancos flexibilizaram critérios para originação de crédito via cartões, como parte da iniciativa para conquistar participação nesse mercado. Os investidores temem aumento da inadimplência e essa preocupação se intensificou no ano passado, quando o total de empréstimos tomados em cartão de crédito superou o recorde que havia sido atingido logo antes de o sistema financeiro global quase entrar em colapso, em 2008.

"Observamos uma abordagem muito mais cirúrgica à designação de linhas de cartão de crédito", afirmou Matt Komos, responsável por pesquisa e consultoria da TransUnion. As instituições financeiras "ainda estão originando para consumidores de menor qualidade e qualidade quase superior, mas estão ajustando as linhas de crédito para administrar a exposição".

Apesar das mudanças nas linhas de cartão de crédito, a originação total de empréstimos para devedores de menor qualidade avançou 4 por cento no primeiro trimestre, na comparação com um ano antes.

A TransUnion apurou que a parcela de empréstimos em cartões de crédito com atraso de pelo menos 90 dias continuou subindo no segundo trimestre e atingiu 1,53 por cento. A taxa de inadimplência uma década antes chegava a 2,71 por cento.

A parcela de baixas contábeis correspondentes a créditos sem expectativa de recebimento pelos maiores emissores de cartões dos EUA aumentou últimos nove trimestres, em bases anuais, de acordo com dados compilados pela Bloomberg Intelligence.

Repórteres da matéria original: Ivan Levingston em N York, ilevingston@bloomberg.net;Jenny Surane em Nova York, jsurane4@bloomberg.net