PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Luxemburgo dá as boas-vindas a filhos de bancários após Brexit

Stephanie Bodoni

17/09/2018 15h31

(Bloomberg) -- As escolas de Luxemburgo podem ensinar ao Reino Unido uma ou duas lições sobre como se preparar para o Brexit.

O centro financeiro busca atrair os executivos bancários de Londres para o grão-ducado e o país fez a lição de casa para garantir que os filhos deles tenham um lugar para estudar.

A partir desta segunda-feira, essas crianças poderão frequentar uma das quatro escolas estatais gratuitas e recentemente abertas que oferecem departamentos inteiros com um currículo em inglês, com a vantagem adicional de ensinar francês ou alemão, além de luxemburguês.

O ensino em inglês no país -- que é o segundo maior mercado de fundos do mundo e um centro para multinacionais como a Amazon.com -- tem crescido exponencialmente desde 2016, quando o Reino Unido optou, em votação, pela saída do bloco de 28 países. Na Grã-Bretanha, entretanto, a matrícula em escolas internacionais caiu desde o referendo.

A expansão significa que as opções já não se limitam às duas Escolas Europeias, criadas para os filhos de autoridades da UE, ou às duas principais escolas particulares de língua inglesa, a St. George's International School e a International School of Luxembourg, com matrículas de 13.390 euros (US$ 15.600) e 17.140 euros, respectivamente, para os estudantes do último ano.

"Não podíamos mais oferecer um único sistema", disse Myriam Bamberg, porta-voz do Ministério da Educação de Luxemburgo. "Tivemos que atender a essas necessidades da diversidade. Existem agora novas secções europeias em inglês, francês e alemão que oferecem uma alternativa ao sistema luxemburguês tradicional."

Sem a expansão, a pressão por aulas em inglês teria se tornado difícil, à medida que o país se anuncia ativamente como um ótimo destino para as instituições financeiras que buscam um lugar no continente após o Brexit.

A decisão do Reino Unido de abandonar a UE já convenceu mais de 30 instituições financeiras -- principalmente dos setores de seguros e gestão de ativos -- a buscar um refúgio seguro em Luxemburgo. O instituto de estatísticas Statec afirma que o Brexit criou cerca de 250 novos empregos no país e estimativas indicam que, no fim das contas, 3.000 novos empregos poderiam ser criados.

Os dados publicados pelo Ministério da Educação logo antes do início oficial do ano escolar de 2018-2019, no dia 17 de setembro, mostram um aumento constante no número de alunos que ingressam nas novas aulas internacionais lançadas pelo governo.

A estimativa é de que cerca de 2.206 estudantes do ensino fundamental e do ensino médio serão matriculados nessas novas seções em inglês, francês ou alemão, em comparação com 1.621 alunos do ano passado, de acordo com os números mais recentes. Para colocar esses números em perspectiva, Luxemburgo, com uma população de cerca de 600.000 habitantes tem pouco mais de 104.000 alunos em suas escolas de primeiro e segundo graus.

PUBLICIDADE