ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Uber voltou à China, desta vez para fabricar bicicletas

Mark Bergen

28/09/2018 12h07

(Bloomberg) -- Dois anos depois de ter saído da China, a Uber Technologies está voltando a colocar os pés no país asiático. A equipe, no entanto, não está trabalhando no negócio principal da empresa de transporte particular, mas supervisionando a criação de bicicletas e patinetes - a aposta da Uber para seu próximo sucesso entre os consumidores.

Depois de comprar a Jump Bikes, um serviço de aluguel de bicicletas com sede nos EUA, a Uber está pronta para lançar sua própria patinete, mergulhando em um novo e caótico mercado de trânsito. A Uber está adicionando pessoal de cadeia de abastecimento, recrutamento e outros funcionários no sul da China para trabalhar de perto com as fabricantes desses dispositivos, de acordo com Rachel Holt, chefe da unidade New Mobility, da Uber.

Ela também disse que a empresa com sede em São Francisco poderia lançar esses serviços em países asiáticos, como o Japão, onde a Uber tem operações limitadas por questões de regulamentação. "Sem dúvida, temos aspirações globais aqui", disse ela em um evento nesta sexta-feira em Hong Kong.

Esses planos, no entanto, não incluirão a China continental tão cedo. A Uber vendeu suas operações no país para a Didi Chuxing em 2016 depois de sofrer grandes prejuízos. E a China já abriga diversas empresas de bicicleta elétrica em concorrência acirrada. Holt admitiu que a Uber não tem planos imediatos para lançar serviços similares na China.

A Uber continuará investindo na cadeia de abastecimento do país, disse Holt, apesar dos crescentes custos políticos. Tanto as bicicletas elétricas quanto as patinetes estão incluídas na lista de tarifas do governo Trump, que adiciona um imposto de 25 por cento sobre cada componente que a Uber importa. Holt preferiu não identificar pelo nome parceiros de fabricação, mas sugeriu que o volume da Uber seria significativo. "Temos o potencial de ser um cliente muito grande para eles", disse ela.

A executiva também deu a entender que a fabricante das novas patinetes da Uber não será a mesma utilizada por concorrentes como Bird e Lime, cujas patinetes surgiram repentinamente em cidades dos EUA. "Todo mundo está usando a mesma patinete", disse Holt. "Mas elas não estão sendo projetadas para o modo como estão sendo usadas, e é por isso que essas patinetes duram apenas alguns meses."

Mais Economia