ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

YPF desativa poços de gás devido à crise na Argentina, dizem fontes

Jonathan Gilbert e Pablo Gonzalez

02/10/2018 16h09

(Bloomberg) -- A YPF, a produtora estatal de energia da Argentina, está fechando alguns poços de gás natural já que a segunda recessão do país em três anos está reduzindo a demanda, segundo pessoas com conhecimento direto do assunto.

A empresa vinha investindo fortemente no gás de xisto quando o governo subsidiava a produção para reverter o caro déficit no comércio de energia. Mas, devido à crise econômica, agora a empresa está sendo obrigada a reduzir a oferta, disseram as pessoas, que não estão autorizadas a dar declarações públicas.

A economia argentina deverá se contrair 1,6 por cento neste ano e ainda mais no primeiro trimestre de 2019 depois que as preocupações dos investidores com o déficit fiscal desencadearam uma forte desvalorização do peso. Mesmo antes da recessão, as empresas de exploração já se preparavam para o problema do aumento repentino de demanda sazonal.

A Argentina consome muito menos gás no verão do que nos meses mais frios do inverno e recentemente fechou vendas para o vizinho Chile para mitigar a situação. O excesso de oferta é agravado por um contrato do governo para importação da Bolívia até 2026. Outro fator é o surgimento de uma rival da YPF, a Tecpetrol, que está inundando o mercado com gás da bacia de xisto de Vaca Muerta -- a resposta da Argentina à Bacia do Permiano --, de seu projeto Fortín de Piedra.

"Não há dúvidas quanto às características geológicas de Vaca Muerta. O xisto pode fornecer, e Fortín de Piedra é um exemplo claro", disse Juan Manuel Vázquez, chefe de pesquisa de capital e crédito da Puente Hnos. em Buenos Aires. "No entanto, há um problema de demanda devido à sazonalidade e à queda da atividade econômica."

A produção de gás da YPF no segundo trimestre do ano -- quando começou a recessão -- alcançou a média de 44 milhões de metros cúbicos por dia, 1,3 por cento menos que no mesmo período de 2017, "devido à demanda menor", segundo balanço de resultados.

Repórteres da matéria original: Jonathan Gilbert em Buenos Aires, jgilbert63@bloomberg.net;Pablo Gonzalez em Buenos Aires, pgonzalez49@bloomberg.net

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia