ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Apple usa recursos do iPhone no iPad em renascimento do tablet

Mark Gurman

31/10/2018 10h53

(Bloomberg) -- A Apple está realizando a atualização mais abrangente do iPad desde 2015, esforço mais recente para recuperar um produto que vem sofrendo queda nas vendas nos últimos anos.

Na terça-feira, no Brooklyn, em Nova York, executivos da Apple revelaram novos modelos iPad Pro em dois tamanhos de tela -- 11 polegadas (27,94 cm) e 12,9 polegadas (32,76 cm) -- com recursos importantes dos últimos iPhones. Os tablets atualizados têm laterais mais finas que fazem com que pareça que as telas se estendem quase de ponta a ponta, processadores mais rápidos, uma câmera traseira melhorada e identificação facial para desbloquear o aparelho, efetuar pagamentos e enviar emoticons personalizados.

As vendas unitárias do iPad atingiram o pico de 26 milhões de unidades no primeiro trimestre fiscal de 2014. A Apple vendeu cerca de metade desse total no trimestre das festas de fim de ano de 2017. O preço médio de venda também caiu. Ainda assim, há motivos para otimismo. Apesar de o mercado de tablets como um todo estar se contraindo, o iPad vem recuperando impulso lentamente graças a novos softwares e a modelos mais baratos, mas também porque concorrentes como Amazon e Samsung não têm encantado o mercado.

Os modelos de iPad revelados na terça-feira podem manter a recuperação. A atualização para o iPad Pro é a primeira desde junho de 2017. O chip A12X Bionic do modelo mais recente traz velocidade, processamento de inteligência artificial e gráficos comparáveis aos iPhones mais recentes.

O Face ID, o sistema de reconhecimento facial 3D da Apple, substitui o escâner de impressão digital do iPad. Pelo lado do software, os iPads agora têm uma interface controlada por gestos, a exemplo dos iPhones mais recentes, para que os usuários possam deslizar o dedo de baixo para cima na tela para fechar aplicativos, ou de um lado para o outro para alternar entre aplicativos.

Os novos modelos também são notáveis pelo que não têm: botão home, conector de fone de ouvido e porta lightning, usada em dispositivos móveis da Apple desde 2012. O conector de fone de ouvido foi abandonado para dar lugar a fones de ouvido com Bluetooth como o AirPods e a porta lightning foi tirada para dar lugar a uma porta USB-C na primeira vez em que um conector do tipo é usado em um aparelho iOS.

Além disso, os iPads estão mais caros. O modelo de 11 polegadas é vendido a partir de US$ 799, aumento de US$ 150 em relação à versão de 10,5 polegadas, de US$ 649, do ano passado. Um iPad top de linha com conexão de celular, 1 terabyte de armazenamento e a tela maior custa US$ 1.899, o que o torna muito mais caro do que a maioria dos laptops completos.

Além dos iPads em si, a Apple também anunciou uma nova versão do acessório Apple Pencil.

Mais Economia