PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Uber escolherá NYSE para grande IPO em 2019: Fonte

Eric Newcomer

22/03/2019 12h03

(Bloomberg) -- A Uber Technologies selecionou a Bolsa de Valores de Nova York para sua iminente oferta pública inicial que pode se tornar uma das cinco maiores aberturas de capital de todos os tempos, segundo uma pessoa a par do assunto, que pediu para não ser identificada porque os detalhes não são públicos.

A expectativa é que a gigante da carona compartilhada dê entrada na oferta publicamente em abril, iniciando uma abertura de capital que pode avaliar a empresa em até US$ 120 bilhões e que provavelmente será a maior do ano, disseram pessoas informadas sobre os planos anteriormente. Com essa avaliação, a Uber teria que lançar apenas em torno de 16 por cento de suas ações para figurar entre as cinco primeiras, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Ao selecionar a emblemática bolsa que fica no coração de Wall Street, a Uber se diferencia da concorrente Lyft, que começará a ser negociada na semana que vem na Nasdaq Global Select Market. Muitas gigantes da tecnologia, incluindo o Google, da Alphabet, a Microsoft e a Apple, são negociadas na Nasdaq, antes dominante entre as startups de tecnologia que abriam capital. Representantes da Uber e da Bolsa de Valores de Nova York preferiram não comentar.

Desde a falha técnica que afetou a abertura de capital do Facebook na Nasdaq, sete anos atrás, a NYSE atraiu grandes empresas de tecnologia, inclusive a oferta recorde de US$ 25 bilhões da Alibaba Group, em 2014, o IPO do Twitter, em 2013, e a estreia da Snap, em 2017.

Não tem importância o fato de o diretor financeiro da Uber, Nelson Chai, ter sido diretor financeiro da NYSE e de John Thain, membro do conselho da Uber, ter sido CEO da bolsa de 2004 a 2007. A NYSE passou a ser de propriedade da Intercontinental Exchange depois que a gigantesca administradora de bolsas de valores adquiriu a NYSE Euronext por mais de US$ 10 bilhões em 2013.

Corrida pelo IPO

A corrida da Lyft e da Uber ao mercado criou uma dinâmica semelhante à de 2014, quando as concorrentes chinesas do ramo de comércio eletrônico Alibaba e JD.com abriram capital com um intervalo de meses entre si. A JD.com, de muito menor porte, escolheu a Nasdaq, e a Alibaba optou pela NYSE.

A Lyft e a Uber apresentaram documentos confidenciais para o IPO à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês) no mesmo dia de dezembro, mas a Lyft, que tem sede em São Francisco, corre desde então à frente de sua maior concorrente. A Lyft iniciou seu roadshow para promover as ações nesta semana com reuniões com investidores em Nova York e Boston. Apesar de se vangloriar de ter alcançado uma participação de mercado de 39 por cento nos EUA em dezembro, a Lyft gerou apenas cerca de um quinto da receita de US$ 11,4 bilhões da Uber para todo o ano de 2018.

No topo da faixa de preço prevista, o IPO da Lyft pode avaliar a empresa em até US$ 23,3 bilhões, incluindo algumas unidades de ações restritas para funcionários e outras que ainda não estão totalmente disponíveis para eles.