PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Remédio para coração enfrenta onda de processos nos EUA

Anna Edney e Margaret Cronin Fisk

24/04/2019 15h54

(Bloomberg) -- Dezenas de ações judiciais foram iniciadas contra fabricantes de medicamentos e vendedores por causa de medicamentos genéricos para o coração, amplamente receitados, contaminados com possíveis substâncias cancerígenas, representando as primeiras reclamações em meio ao que alguns advogados esperam que seja uma onda de processos.

Milhões de americanos tomaram remédios, que estão no centro de um recall que está sendo supervisionado pela Food and Drug Administration dos EUA, e têm sido usado por décadas para tratar a hipertensão arterial, insuficiência cardíaca e outras condições comuns.

Um advogado envolvido no esforço para juntar aproximadamente 50 processos, incluindo pelo menos 27 por pacientes que dizem ter contraído câncer usando o remédio em recall, disse a um tribunal federal dos EUA que espera uma onda de processos.

"Minha melhor estimativa hoje é que tenhamos aproximadamente 2.000 casos de danos pessoais iniciados nos próximos dois anos", Daniel Nigh, que entrou com 12 ações judiciais até agora, disse a juízes em uma conferência no tribunal distrital de Nova Jersey no mês passado, de acordo com uma transcrição.

A FDA está coordenando um recall de medicamentos adulterados para o coração desde julho do ano passado, quando o carcinógeno NDMA foi descoberto no valsartan fabricado pela Zhejiang Huahai. O valsartan contaminado foi vendido a um número de grandes fabricantes de medicamentos e usado como um ingrediente em outras terapias cardiovasculares.

A Zhejiang Huahai e suas afiliadas são os principais alvos das ações judiciais. Outras empresas citadas nas denúncias incluem as gigantes da indústria farmacêutica Teva Pharmaceutical Industries e Mylan bem como a CVS Health, que opera neegócios de farmácias e administração de medicamentos. Quase 40 acusados foram processados até agora.

A FDA disse que os comprimidos podem já ter sido contaminados com NDMA por até quatro anos antes do problema ser encontrado. O número de pacientes, se houver, que desenvolveram câncer como resultado do uso de valsartan é desconhecido.

No início deste ano, a Bloomberg relatou vários problemas com os dados de testes usados para garantir a segurança e a eficácia das drogas. A Bloomberg descobriu que os inspetores da FDA que haviam mostrado preocupação com a integridade dos dados em algumas fábricas foram, às vezes, ignorados por funcionários sêniores da agência.

Em uma fábrica da Zhejiang Huahai, em Linhai, que coordena o recall, um inspetor da FDA determinou que alguns dos medicamentos produzidos eram precários, 14 meses antes de a agência tomar medidas para facilitar a remoção do valsartan e suas combinações do mercado americano. Uma porta-voz da Zhejiang Huahai preferiu não comentar. Representantes da Teva, da Mylan e da CVS, outras empresas também processadas, não responderam imediatamente às solicitações de comentários.

Além dos casos de dano pessoal, os advogados das ações em tribunais federais de Nova Jersey também estão propondo ações coletivas para cobrir perdas econômicas, incluindo alegações por consumidores e terceiros, como seguradoras de saúde, de que gastaram milhões de dólares em drogas contaminadas.

Uma ação coletiva separada foi apresentada ao tribunal de Nova Jersey em 5 de abril, em nome de pacientes que podem não apresentar sintomas em anos a partir de agora. A ação busca criar um fundo para financiar o monitoramento médico independente, incluindo exames e triagem preventiva, e oferecer tratamento contra o câncer.

PUBLICIDADE