PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Credores furiosos cobram dívidas em atraso de equipe de Guaidó

Ben Bartenstein

05/07/2019 15h50

(Bloomberg) -- A oposição da Venezuela sente o peso de governar sem ter poder de fato.

Talvez ninguém saiba melhor disso do que José Ignacio Hernández. Em fevereiro, o advogado constitucionalista, nascido em Caracas, foi indicado procurador-geral para o governo que Juan Guaidó tenta formar. No entanto, embora Guaidó, que é presidente da Assembleia Nacional, tenha sido reconhecido pelos Estados Unidos e por mais 50 outros governos como o líder legítimo do país, ele e seus aliados, como Hernández, têm pouco poder real.

Para os credores da Venezuela, isso não importa. Após meses de inadimplência e bilhões de dólares em dívidas não honradas, esses credores buscam desesperadamente que alguém - qualquer pessoa - com alguma relação com a Venezuela reconheça os atrasos e elabore um plano para que recebam as dívidas. Como os EUA dizem que Guaidó é o presidente, os credores acreditam que sua equipe seria responsável por descobrir como encontrar uma solução.

Hernández disse que recebe dezenas de ligações por semana de todas as partes do mundo. Todo mundo quer saber quando vai receber seu dinheiro. E ele responde a dura verdade: não podemos pagar agora e não sabemos quando iremos.

"Quando você tem uma prova na universidade, precisa de um respiro. Então vai à biblioteca e há um grande aviso: 'silêncio'", disse Hernández, 44 anos, em entrevista em Nova York. "Preciso de silêncio. Preciso pensar com cuidado. E não consigo pensar com cuidado quando tenho meu telefone tocando com reclamantes, batendo à minha porta e advogados dizendo que temos uma data de vencimento. Ninguém pode trabalhar assim."

Embora o governo de Guaidó tenha assumido gradualmente uma quantidade não revelada de ativos venezuelanos do regime de Nicolás Maduro, devido às sanções esses ativos não podem ser tocados sem a aprovação do Departamento do Tesouro e da Assembleia Nacional da Venezuela.

--Com a colaboração de Karina Montoya, Jose Enrique Arrioja e Jenny Paris.