PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Church of England vende ações da Vale por "questão ética"

Isis Almeida e Sabrina Valle

24/09/2019 12h39

(Bloomberg) -- A Church of England se desfez das ações da Vale, e não parece que a mineradora voltará para a carteira de investimentos da igreja em breve.

A instituição vendeu suas ações na Vale depois que o rompimento da barragem de rejeitos em Brumadinho matou pelo menos 249 pessoas em janeiro. A Church of England também vetou os investimentos na mineradora através de um processo de exclusão ética, segundo Adam Matthews, diretor de ética e engajamento no conselho de pensões da igreja.

Há um "longo caminho a percorrer" antes que a igreja decida voltar atrás, disse Matthews por telefone antes da Cúpula das Américas do Financial Times, realizada no Rio de Janeiro, onde o executivo fará uma apresentação.

"Obviamente, precisamos ver o resultado de várias investigações", disse Matthews. "Também precisamos entender melhor que a empresa fez todo o possível para garantir que a comunidade local seja apoiada e compensada - na medida do possível - e, nesse ponto, faremos um julgamento, mas acho que está muito longe."

A Church of England tem estado na vanguarda de um movimento de desinvestimentos visando empresas que não respeitam regras ambientais e não combatem as mudanças climáticas. Embora a participação total da instituição na Vale fosse inferior a 10 milhões de libras (US$ 12,5 milhões), a decisão destaca como investidores têm se mobilizado para pressionar as empresas a aderirem aos padrões ambientais.

O rompimento na barragem da Mina do Feijão foi o segundo desastre envolvendo a Vale desde 2015. Naquele ano, a Samarco Mineração, joint venture entre a Vale e a BHP, despejou bilhões de litros de rejeitos em Mariana, no que foi considerado o pior desastre ambiental do Brasil. A produtora de minério de ferro aguarda atualmente uma licença ambiental para retomar as operações.

A Church of England escreveu para a Vale e mais de 700 outras empresas solicitando detalhes de todas as operações de barragens de rejeitos e também a divulgação completa de suas respostas como parte da Iniciativa de Segurança para Investidores em Mineração e Rejeitos. Representantes da igreja também se encontrarão com a Vale em algumas semanas em Londres, a pedido da empresa, para discutir o assunto, disse Matthews.

"A gestão de rejeitos não é apenas uma questão relacionada à Vale, embora obviamente agora tenhamos dois desastres ligados especificamente a essa empresa", afirmou. "É um problema global que tem implicações em várias jurisdições, e estamos analisando como corrigir esse problema em toda a mineração."

A Vale enfrenta maior controle do governo após os dois desastres. As barragens a montante devem ser fechadas ou drenadas até 2027, informou a Agência Nacional de Mineração no mês passado. A mineradora disse que planeja investir R$ 11 bilhões nos próximos cinco anos em um método a seco para processamento de minério de ferro, o que elimina a necessidade de barragens de armazenamento de resíduos úmidos, que oferecem maior risco.

Investidores e empresas se alinham às mudanças climáticas de maneiras que remodelarão a energia e a mineração nos próximos anos. A Church of England desempenhou um papel importante ao pressionar a Royal Dutch Shell a reduzir o carbono em seu portfólio e também outras empresas para que divulguem mais informações sobre suas atividades de lobby.

"Sentimos que o desinvestimento tem um papel, mas não acreditamos apenas em desinvestir em todo o setor e em ir embora", disse Matthews. "Não nos afastamos do setor de petróleo e gás, não nos afastamos do setor de mineração. Achamos que há potencial para empresas desses setores fazerem a transição."

Mas, quando está claro que algumas empresas não têm um caminho a seguir, a igreja está disposta a usar o desinvestimento por razões financeiras e éticas, acrescentou.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Patricia Xavier, pbernardino1@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Isis Almeida em Londres, ialmeida3@bloomberg.net;Sabrina Valle em Rio De Janeiro, svalle@bloomberg.net