PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Nova rede de hotéis quer criar atmosfera do Expresso do Oriente

Claire Ballentine

27/09/2019 16h05

(Bloomberg) -- Há mais de 130 anos, o Expresso do Oriente redefiniu as viagens de trem de luxo, deixando uma marca indelével na cultura popular. Embora a linha ferroviária tenha feito sua jornada de despedida, uma nova rede de hotéis possibilita desfrutar da opulência de carruagens lendárias, sem o risco de enjoo.

A Accor, que opera como AccorHotels, está relançando uma série de hotéis com o nome Orient Express. O primeiro será aberto em Bangkok em meados do ano que vem, com 10 propriedades no total até 2030.

"Se conseguirmos compartilhar a história, os hóspedes sentirão que fazem parte do mito do Expresso do Oriente", diz Guillaume de Saint Lager, diretor executivo da Orient Express Hotels.

O hotel Bangkok Orient Express ficará localizado no arranha-céu King Power Mahanakhon, de 78 andares, conhecido por sua fachada semelhante ao Lego. O segundo edifício mais alto da cidade também abriga o Ritz-Carlton Residence.

Embora o Expresso do Oriente nunca tenha viajado para Bangkok, o designer de interiores Tristan Auer procura trazer sua aura histórica para o novo local, combinando estilos artísticos tailandeses e franceses. O hotel terá 154 quartos, uma piscina na cobertura com vista para a movimentada cidade, dois restaurantes, um spa e dois bares.

Esta não é a primeira vez que o nome Orient Express foi usado para hospedagem de luxo. E a história é cheia de reviravoltas quanto um romance de Agatha Christie.

O grupo ferroviário estatal francês SNCF é dono da marca Orient Express desde a década de 1970. Anteriormente, permitiu à rede de hotéis do Reino Unido Orient-Express Hotels, fundada em 1976, a usar o nome para seu portfólio de 45 hotéis de luxo, além de seis trens de alto padrão, três cruzeiros fluviais e um restaurante.

Em 2014, a Orient-Express Hotels anunciou que renomearia seus ativos como Belmond Ltd., derivada da palavra latina belo, e agora faz parte da LVMH. Ao rescindir seu contrato de licença, Ralph Aruzza, diretor de vendas e marketing da Orient-Express Hotels, disse na época que a mudança ocorreu em parte porque os consumidores identificaram o nome Orient Express com o trem icônico, e não com o portfólio multifacetado da marca.

Então, em 2017, a AccorHotels adquiriu uma participação de 50% da marca Orient Express, e a SNCF indicou que desenvolveria sua própria linha de hotéis com nome.