PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Banco dinamarquês usou ouro para esconder dinheiro de clientes

Irina Reznik, Ott Ummelas e Frances Schwartzkopff

12/11/2019 15h46

(Bloomberg) -- No auge do escândalo que envolveu o Danske Bank, o banco dinamarquês começou a oferecer barras de ouro a clientes ricos para ajudá-los a manter as fortunas escondidas, de acordo com documentos vistos pela Bloomberg.

A agência do banco na Estônia, que já estava transferindo bilhões de dólares de clientes para contas no exterior, disse a um seleto grupo de correntistas, principalmente da Rússia, que também podiam converter o dinheiro em barras e moedas de ouro, de acordo com documentos referentes a períodos desde meados de 2012.

Além de oferecer proteção contra riscos, o Danske ofereceu ouro como uma maneira de os clientes conseguirem o "anonimato", de acordo com os documentos. A instituição também alegou na época que recorrer ao ouro garantia a "portabilidade" dos ativos, segundo uma apresentação interna de junho de 2012.

Um porta-voz do Danske Bank não quis comentar. No relatório de setembro de 2018 do Danske sobre sua unidade não residente, o banco listou os serviços que prestava aos clientes. Além dos pagamentos, os serviços incluíam a criação de linhas de câmbio, bem como a negociação de títulos e valores mobiliários. O banco não registrou as vendas de barras de ouro.

O Danske Bank, que está sendo investigado em toda a Europa e nos EUA por não ter identificado US$ 220 bilhões desviados de sua unidade na Estônia de 2007 a 2015, encerrou as operações no centro do escândalo. Isso depois que as autoridades locais decidiram banir o Danske do mercado quando o escopo do caso foi revelado.

Jakob Dedenroth Bernhoft, um advogado de Copenhague especializado em questões de conformidade e lavagem de dinheiro, disse: "Me intrigou o fato de o próprio relatório do banco sobre o caso não ter descoberto isso. Este é um serviço totalmente contra as leis de lavagem de dinheiro. Definitivamente, é suspeito."

"O ouro é um grande trunfo para a lavagem de dinheiro, pois tem valor constante", disse. "Você pode vendê-lo sem perder muito valor e receber dinheiro e um recibo em mãos. Se comprar um carro ou algo parecido, o valor cai imediatamente."

Não se sabe o volume de ouro que o Danske conseguiu vender enquanto a extinta unidade da Estônia ainda estava em operação. Mas, de acordo com um e-mail interno visto pela Bloomberg, pelo menos alguns clientes usaram o serviço. O serviço também foi oferecido a clientes locais de private banking.

--Com a colaboração de Morten Buttler.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Irina Reznik em Moscow, ireznik@bloomberg.net;Ott Ummelas Tallinn, oummelas@bloomberg.net;Frances Schwartzkopff Kobenhavn, fschwartzko1@bloomberg.net