PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Plano de carbono de aéreas segue mesmo diante de crise global

Joshua Petri

16/03/2020 15h45

(Bloomberg) -- Na rápida iniciativa de empresas para se tornarem ecológicas, companhias aéreas estão praticamente paralisadas.

Data centers podem migrar para a energia solar, restaurantes optar por energia elétrica em vez de gás e construtoras trocar concreto por madeira laminada cruzada. Esses setores podem mudar a maneira como trabalham na fonte. Mas companhias aéreas não têm tantas opções sustentáveis. O setor queima grandes quantidades de combustível fóssil e continuará sendo assim no futuro próximo.

Por isso, companhias aéreas compram créditos de carbono. Mas é uma proposta cara, que pode custar bilhões de dólares anualmente. As aéreas comerciais responderam por 2,4% das emissões globais de dióxido de carbono em 2018, de acordo com o Conselho Internacional de Transporte Limpo, um número que poderia triplicar até 2050. A fabricante de aviões europeia Airbus prevê que esse tráfego de aviação comercial vai dobrar nos próximos 15 anos, assim como o tamanho da frota comercial, de 14.200 aeronaves para 38.360 aeronaves.

Mesmo que esses novos aviões sejam mais econômicos em termos de combustível do que seus antecessores ou fabricados para funcionar com biocombustíveis, ainda haverá um grande aumento das emissões de gases de efeito estufa. E, em relação às fontes alternativas de energia, os motores de aeronaves elétricas apenas começam a decolar. A Airbus, por exemplo, espera pilotar uma aeronave de 100 passageiros com base na tecnologia elétrica e híbrida-elétrica até a década de 2030. Mas ampliar a escala dessa tecnologia pode levar muito mais tempo.

Companhias aéreas têm trabalhado com as Nações Unidas, diplomatas e pesquisadores há anos para abordar a pegada de carbono do setor por meio de uma estrutura de compensação. O movimento "vergonha de voar" iniciado por consumidores preocupados com o clima deu mais um impulso às iniciativas.

Com o setor de aviação civil sob o impacto das implicações financeiras da Covid-19, a Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO, na sigla em inglês) anunciou em 13 de março um passo crítico quando se trata de usar compensações de carbono, tendo selecionado seis programas para uso de companhias aéreas na compra de créditos.

"Em um momento de extremo estresse para a indústria, a aviação manteve seu compromisso de abordar a crise climática", afirmou na sexta-feira Annie Petsonk, consultora internacional do Fundo de Defesa Ambiental. Segundo ela, a decisão do conselho envia um sinal de que, mesmo com o impacto da Covid-19 sobre famílias, comunidades e todo o setor de viagens, os países seguirão em frente para enfrentar o desafio climático.

--Com a colaboração de Eric Roston.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net