PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Economistas começam a perder esperança em 'recuperação em V'

Ben Holland

31/03/2020 13h02

(Bloomberg) -- A pandemia de coronavírus seguramente provocará recessão global, mas economistas estão cada vez menos convencidos sobre a possibilidade de uma rápida recuperação do crescimento.

Analistas partem do princípio de que uma recuperação, talvez até vigorosa, ocorrerá no segundo semestre de 2020. Mas, à medida que a pandemia se propaga nos continentes europeu e americano e seus efeitos indiretos ficam claros, ressalvas para essa previsão se acumulam.

Por trás de todas elas está o simples fato de que as consequências econômicas dependem de algo que está além do que a maioria dos economistas pode prever: a trajetória da própria doença.

"Não temos certeza de que o vírus desaparecerá até o fim do segundo trimestre", disse Joseph Stiglitz, vencedor do Prêmio Nobel e professor da Universidade Columbia, em Nova York. Se "durar até o verão, todos os efeitos serão ampliados".

Além disso, economistas debatem uma série de questões - e essas dúvidas minam cada vez mais as projeções da chamada "recuperação em V", na qual a produção perdida é rapidamente restaurada.

Em vez de soar como um decisivo "estamos fora de perigo", autoridades de saúde parecem defender um retorno gradual à vida profissional, de modo que o "distanciamento social" pode permanecer.

Juntamente com o impacto financeiro da crise, que provavelmente reduzirá gastos com viagens, em lojas ou restaurantes, considerando que essas empresas não fecharão as portas.

"Leva mais tempo para 'voltar a jogar' do que 'voltar ao trabalho'", disse Catherine Mann, economista-chefe do Citigroup. Isso dá suporte à preocupação com a "trajetória das economias avançadas dependentes de serviços no segundo semestre de 2020", disse.

A cautela do consumidor já é evidente na China, embora as autoridades digam que é seguro voltar ao marketplace.

Muito dependerá da rapidez com que as empresas criem empregos. A Organização Internacional do Trabalho alerta para a perda de 25 milhões postos de trabalho. E o Goldman Sachs disse na terça-feira que o desemprego nos EUA deve atingir 15%.

Stiglitz se preocupa com o que chama de "impasse financeiro", no qual famílias e empresas não podem pagar as contas, levando companhias a pedir recuperação judicial e à inadimplência, e assim por diante.

©2020 Bloomberg L.P.