PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Startup de voz para IA apoiada pela Amazon planeja IPO

Natalia Drozdiak

26/05/2020 13h08

(Bloomberg) -- A DefinedCrowd, startup com suporte da Amazon.com que oferece conjuntos de dados para treinar programas de fala artificialmente inteligentes, planeja se tornar pública nos próximos cinco anos, à medida que as interações de voz entre humanos e máquinas se tornam mais comuns.A empresa com sede em Seattle levantou US$ 50,5 milhões em recente rodada de financiamento liderada por investidores já existentes, abrindo caminho para uma oferta pública inicial nos próximos cinco anos, disse a CEO Daniela Braga em entrevista.

"É o caminho para uma abertura de capital", disse ela, acrescentando que a ambição de sua empresa é apoiar o desenvolvimento da IA para que as pessoas eventualmente "se comuniquem com as máquinas da mesma maneira que fazemos com os seres humanos".

Fundada por Daniela em 2015, a DefinedCrowd seleciona dados de voz e texto para clientes, incluindo BMW AG e Mastercard, para treinar assistentes virtuais e chatbots de atendimento ao cliente. A empresa projeta os conjuntos para serem diversos e equilibrados, representando certos dialetos ou faixas etárias para o público com maior probabilidade de usar os sistemas. A receita cresceu 656% no ano passado e deve triplicar este ano, disse ela.

Depois que a pandemia arrefecer, a CEO espera que empresas de vários setores - incluindo telessaúde e educação - criem assistentes pessoais de IA para melhor atender os clientes, algo que pode exigir dados mais específicos que incorporem o vocabulário de um setor.

Amazon, Apple e Google, da Alphabet, foram alvo de críticas por revelações de que usaram gravações das interações dos clientes com assistentes virtuais para treinar seus sistemas de IA. Um ex-contratado que trabalhava no projeto de transcrição da Siri da Apple se queixou às autoridades europeias que supervisionam privacidade pela "violação maciça da privacidade de milhões de cidadãos". As empresas disseram que fizeram alterações para fornecer aos usuários mais controle sobre seus dados.

Por outro lado, a DefinedCrowd usa uma plataforma de crowdsourcing, a Neevo, para gerar dados de uma comunidade paga de mais de 290.000 membros em 70 países. Os membros executam tarefas como gravar suas vozes ou transcrever e anotar gravações, em vez de extrair dados de clientes que usam produtos de IA de voz.A CEO disse que os recursos recém-levantados ajudarão a empresa a expandir seus produtos e quase dobrarão o número de funcionários em 2020. Atualmente, a empresa emprega cerca de 268 pessoas. Os investidores que participaram da rodada de financiamento incluem a Evolution Equity Partners, Kibo Ventures, Portugal Ventures, Bynd Venture Capital, EDP Ventures e Ironfire Ventures, bem como os novos investidores Semapa Next e Hermes GPE.A Amazon e a Sony, que também já é investidora, não aumentaram suas apostas na última rodada, disse ela, acrescentando que foi uma jogada estratégica não aumentar o envolvimento de outras empresas enquanto a DefinedCrowd caminha em direção ao IPO.

©2020 Bloomberg L.P.

Economia