Libra esterlina termina 2016 como uma das piores moedas; real se recupera

Redação Central, 28 dez (EFE).- A libra esterlina termina 2016 como uma das moedas com pior comportamento no mundo, com quedas superiores a 13% frente ao euro, em um ano marcado pela força do iene e a recuperação do rublo russo e do real.

A libra esterlina foi a protagonista do ano: chegou a cair 7,5% frente ao dólar, situando-se a níveis não vistos desde 1985, depois que no referendo do último dia 23 de junho a maioria dos britânicos optou por romper os laços com a União Europeia (UE).

A moeda do Reino Unido se desvalorizou desde janeiro cerca de 13,6% frente ao euro, até ser vendida a 1,17 euro, abaixo inclusive do 1,23 euro em que se situou após a vitória do "Brexit".

No entanto, na opinião do diretor de riscos da empresa de intermediação de divisas Ebury, Enrique Díaz-Álvarez, se espera "um notável rebote da libra frente ao euro", já que sua desvalorização "é excessiva, e põe no preço quase o pior cenário possível na negociação do processo de saída".

Por sua parte, a divisa única europeia, compartilhada por 19 dos sócios europeus, perdeu 4% frente à moeda americana, até chegar ao preço de US$ 1,04.

Os analistas não descartam que em breve alcance a paridade com o dólar e se mantenha "ligeiramente abaixo" em 2017.

Outra das moedas europeias que mais perdeu valor em 2016 é a coroa sueca, que neste ano retrocedeu 5% frente ao euro e 8,7% perante o dólar, embora o Banco Central da Suécia acredite que a divisa local "se fortalecerá lentamente".

Já o franco-suíço, uma das moedas que mostrou maior estabilidade ao longo do ano, registrou um aumento do 2,9% frente à moeda americana e um descenso de 1,6% perante o euro.

As moedas latino-americanas, por sua parte, sofreram em 2016 com as mudanças políticas na região e nas áreas vizinhas.

O peso mexicano perdeu neste ano mais de 13% perante o euro e mais de 17% frente ao dólar pela incerteza das eleições presidenciais dos Estados Unidos e a posterior vitória do magnata republicano Donald Trump.

O nível no qual a divisa está sendo cotada obrigou "o banco central do México a fortes altas de juros para protegê-la" e é difícil que "se repita a queda do peso em 2017", segundo a citada empresa de intermediação de divisas.

Por sua parte, o peso argentino perdeu 13,24% frente ao euro e 16,8% perante o dólar.

No entanto, a queda desta divisa começou no final de 2015, quando o presidente do país, Mauricio Macri, suspendeu o "cerco ao dólar", o conjunto de medidas adotadas em 2011 por sua predecessora Cristina Kirchner que impediam a compra da moeda estrangeira no país sul-americano, com a conseguinte desvalorização de 47%.

Entre as asiáticas, o iene japonês se valorizou frente a todas suas concorrentes, com um avanço de 6,5% perante o euro e de 2,1% perante o dólar.

Na opinião do analista Díaz-Álvarez, a moeda japonesa foi "a grande surpresa do ano" já que "as hesitações do Banco do Japão na hora de aprovar novas medidas de estímulo monetário surpreenderam os operadores, que esperavam o contrário".

O dólar canadense também é uma das divisas principais com melhor comportamento e seu câmbio frente ao euro avançou 6,34%, e frente à moeda americana em 1,93%.

Entre as divisas emergentes houve um comportamento muito mais díspar, com valorizações superiores a 20% no rublo e no real, frente às quedas da lira turca, do peso argentino e do mexicano.

Na Rússia, a moeda avançou entre 26% frente ao euro e 21% frente ao dólar, enquanto no Brasil, o real se valorizou em proporções similares, neste último caso, graças às matérias-primas.

Esta melhora unida à da própria economia do país fazem com que os analistas vejam uma "valorização sustentada" do real frente ao euro. EFE

eco/rsd

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos