PUBLICIDADE
IPCA
+0,31 Abr.2021
Topo

Dow Jones fecha em leve baixa de 0,32%

12/01/2017 19h56

Nova York, 12 jan (EFE).- O índice Dow Jones Industrial fechou nesta quinta-feira em leve baixa de 0,32%, acompanhado pela queda dos demais indicadores, o que interrompe uma sequência de cinco dias consecutivos de recordes positivos históricos.

Ao final do pregão, o principal indicador da Bolsa de Nova York caiu 63,28 pontos e ficou com 19.891,00. Já o seletivo S&P 500 perdeu 0,21%, para 2.270,44, enquanto o índice composto da Nasdaq recuou 0,29% e fechou aos 5.547,49 pontos.

Os operadores em Wall Street apostaram pelas vendas um dia após a primeira entrevista coletiva do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, na qual o magnata não revelou novidades sobre seus planos econômicos.

Durante o dia foi divulgado que as solicitações semanais do seguro-desemprego nos EUA cresceram em 10 mil na semana passada e ficaram em 247 mil, menos do que havia sido calculado pelos especialistas e perto de níveis mínimos em quatro décadas.

Os investidores também estiveram de olho na Fiat Chrysler, cuja cotação foi suspensa por cerca de meia hora em Wall Street e terminou o dia com forte queda de 10,2% após ser acusada pelas autoridades americanas de manipular veículos para ocultar emissões.

Os setores fecharam divididos entre as quedas do financeiro (-0,36%), do industrial (0,28%), do tecnológico (-0,27%) e do energético (-0,25%) e os avanços dos de telecomunicações (0,11%), de saúde (0,04%) e de matérias-primas (0,02%).

O grupo Disney (-1,75%) liderou as perdas no Dow Jones, à frente de JP Morgan (-0,96%), Microsoft (-0,92%), Wal-Mart (-0,80%), Goldman Sachs (-0,80%), Travelers (-0,72%), Caterpillar (-0,70%), Boeing (-0,70%), Intel (-0,65%) e Pfizer (-0,64%).

Os lucros foram liderados por McDonald's (1,01%), seguido por Merck (0,94%), Verizon (0,45%), Unitedhealth (0,31%), Procter & Gamble (0,24%), Chevron (0,20%), IBM (0,13%) e Dupont (0,11%).

Em outros mercados, a onça do ouro caía para US$ 1.195,8, enquanto a rentabilidade dos títulos da dívida pública americana com prazo de dez anos avançava até 2,355%.