ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Israel abre investigação sobre o Facebook após caso Cambridge Analytica

22/03/2018 12h49

Jerusalém, 22 mar (EFE).- A Autoridade de Proteção da Privacidade de Israel abriu uma investigação sobre as atividades do Facebook, diante das suspeitas de que a rede social poderia ter fornecido dados de usuários para uma empresa de análise vinculada com a campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

A autoridade israelense informou nesta quinta-feira aos responsáveis da rede social sobre a investigação iniciada "após as publicações sobre a transferência de dados pessoais do Facebook para a Cambridge Analytica e a possibilidade de outras infrações da lei de privacidade em relação aos cidadãos israelenses", informou o Ministério da Justiça de Israel em comunicado.

O ministério argumenta que, segundo a lei israelense, os dados pessoais só devem ser usados para a finalidade para a qual foram oferecidos e com consentimento do indivíduo.

"Portanto, a autoridade investigará se os dados pessoais de cidadãos israelenses foram usados ilegalmente de forma a infringir o seu direito à privacidade e as disposições da lei de Privacidade de Israel", concluiu a autoridade israelense.

A Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês) iniciou uma investigação sobre o Facebook que poderia render uma multa milionária à rede social, diante das suspeitas de que ela teria proporcionado informações de 50 milhões de usuários à empresa britânica Cambridge Analyitca, da qual o ex-chefe da campanha de Trump em 2016, Steve Bannon, é investidor.

No último fim de semana, veio à tona a informação de que a companhia teve acesso em 2014 a dados recolhidos pela empresa dirigida por Mark Zuckerberg, o que representaria uma clara violação das condições de confidencialidade do Facebook.

A rede social garantiu que está "escandalizada", disse que foi enganada e rejeitou qualquer vínculo com as atividades da Cambridge Analytica.

Mais Economia