ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Países do ocidente apoiam monopólio de Companhia Petrolífera Nacional Líbia

12/07/2018 12h52

Paris, 12 jul (EFE).- Estados Unidos, França, Itália e Reino Unido expressaram nesta quinta-feira sua satisfação pelo anúncio do reatamento das atividades da Companhia Petrolífera Nacional Líbia e insistiram que a mesma deve ter o monopólio sobre os recursos de petróleo do país, sob a supervisão do governo de união nacional.

"É preciso deixá-la trabalhar em nome de todos os líbios", assinalaram os quatro países ocidentais em uma declaração conjunta.

As nações acrescentaram que os recursos petrolíferos devem seguir "sob o controle exclusivo da Companhia Petrolífera Nacional legítima e sob a supervisão única do governo de união nacional", de acordo com as resoluções da ONU.

A empresa petrolífera indicou que ontem foram retomadas as exportações nas jazidas do leste do país, após duas semanas de paralisação, uma vez que o marechal Khalifa Hafter entregou o controle dos terminais ao fim de uma queda de braço entre autoridades políticas rivais.

Estados Unidos, França, Itália e Reino Unido também apoiaram a contribuição do Exército Nacional Líbio para o restabelecimento da estabilidade no setor petrolífero, "essencial" para os interesses do país.

Os países ocidentais insistiram que "chegou o momento de todos os atores líbios avançarem" nas discussões para melhorar a transparência orçamentária, fortalecer as instituições e garantir "uma distribuição justa dos recursos".

Os quatro governos ocidentais, além de terem se comprometido a ajudar os dirigentes líbios a aplicar essas medidas, advertiram que "utilizarão todos os meios disponíveis para responsabilizar os que atentem contra a paz, a segurança e a estabilidade da Líbia".

Segundo a Agência Internacional da Energia, a produção de petróleo na Líbia caiu em junho em 260 mil barris diários para ficar em 760 mil, devido à instabilidade política, e voltou a sofrer redução em julho, mas a situação parece ter melhorado nos últimos dias.

Mais Economia