PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Santander UK é multado em R$ 161,65 milhões por erros na gestão de contas

19/12/2018 09h19

Londres 19 dez (EFE).- O Banco Santander UK foi multado com 32,8 milhões de libras esterlinas (R$ 161,65 milhões) pelo órgão regulador financeiro do Reino Unido por "erros graves" no gerenciamento de contas de clientes falecidos, informou nesta quarta-feira a Autoridade de Conduta Financeira (FCA, na sigla em inglês).

A FCA detalhou que a entidade bancária não transferiu recursos no valor de mais de 183 milhões de libras (R$ 902 milhões) aos beneficiados como deveria tê-lo feito.

Segundo o regulador da City Londrina (o centro financeiro do Reino Unido), os erros afetaram 40.428 clientes, mas o banco já se desculpou com os familiares dos falecidos.

A entidade também não forneceu informações sobre assuntos relacionados ao processo de legalização de testamentos para a FCA quando percebeu os erros, segundo o órgão regulador.

O diretor-executivo de monitoramento do mercado da FCA, Mark Stewart, afirmou que esses problemas "demoraram muito para serem identificados e, depois, tempo demais para serem resolvidos".

"Para dar crédito à empresa, assim que esses problemas foram notificados ao conselho e à administração, eles foram resolvidos de forma imediata e apropriada", acrescentou Stewart.

Não obstante, o diretor-executivo especificou que "reconhecer o problema levou tempo demais. As empresas devem poder identificar e responder aos problemas mais rapidamente, especialmente quando estão causando prejuízo aos clientes".

A FCA ressaltou que seguirá de perto as empresas com controles "pobres" e tomará medidas para proteger os clientes.

O Santander, por sua vez, indicou que repassou a maioria dos recursos das contas de clientes falecidos a seus beneficiados.

O diretor-executivo do Santander UK, Nathan Bostock, afirmou que "lamenta muito" o impacto que os erros tiveram e acrescentou que a entidade aceita as conclusões do órgão regulador britânico.

"Cooperamos plenamente com esta investigação", acrescentou Bostock. EFE