PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Panamenha Copa Airlines suspende "imediatamente" uso dos Boeing 737 MAX 9

13/03/2019 17h36

Cidade do Panamá, 13 mar (EFE).- A panamenha Copa Airlines anunciou nesta quarta-feira que suspendeu de forma imediata as operações de seus seis aviões Boeing 737 MAX 9 após o acidente do voo da Ethiopian Airlines no qual morreram 157 pessoas no domingo passado.

"A companhia aérea cobrirá os voos que seus MAX 9 operavam com o restante da sua frota e fará o possível para minimizar o impacto nos itinerários dos seus passageiros", indicou a companhia em comunicado.

A Copa Airlines se une assim a centenas de companhias aéreas no mundo todo, entre elas a Gol, que suspenderam as operações do MAX 8 e 9, um dos modelos mais modernos e menos contaminantes do mercado, lançado em 2017 pela gigante aeronáutica com sede em Chicago, nos Estados Unidos.

A companhia panamenha, que recebeu seu primeiro avião deste tipo em setembro do ano passado, afirmou no comunicado que desde então seus MAX 9 executaram quase 1.400 voos e mais de 7.700 horas "registrando ótimos índices de confiabilidade e desempenho".

"Mantemos plena confiança no robusto sistema de gestão de programa de manutenção, treinamento e segurança da empresa, da mesma forma que na capacidade de nossos pilotos de voar de forma segura todas as aeronaves da nossa frota", acrescentou o comunicado.

A companhia panamenha encomendou 71 unidades dos Boeing 737 MAX 9 à fabricante aeronáutica americana durante a Cúpula das Américas realizada em abril de 2015 na capital panamenha.

Nas últimas horas, Estados Unidos, Canadá, Índia, Malásia e Tailândia proibiram as operações deste modelo, com o que se somam à União Europeia (UE) e a países como China, Austrália, Turquia e Indonésia, que tinham feito o mesmo previamente.

O acidente aéreo na Etiópia é o segundo envolvendo um Boeing 737 MAX em menos de seis meses, depois do ocorrido em outubro do ano passado quando uma aeronave da companhia Lion Air caiu na Indonésia por falhas no sistema automático, o que causou a morte de 189 pessoas. EFE