PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Por pandemia, Starbucks fechará permanentemente 400 lojas nos EUA e no Canadá

Loja da Starbucks em Matawan, Nova Jersey (EUA), fechada por causa da pandemia de coronavírus - EDUARDO MUNOZ
Loja da Starbucks em Matawan, Nova Jersey (EUA), fechada por causa da pandemia de coronavírus Imagem: EDUARDO MUNOZ

De Nova York

11/06/2020 00h30

A Starbucks anunciou nesta quarta-feira que está fechando cerca de 400 cafeterias nos Estados Unidos e no Canadá e espera registrar perdas no atual trimestre, com as vendas caindo em mais de US$ 3 bilhões.

A empresa americana disse em carta ao órgão regulador do mercado de ações que também espera que as receitas de suas cafeterias permaneçam baixas pelo resto do ano, mesmo que boa parte das lojas já tenham sido reabertas.

A Starbucks indicou que 95% dos aproximadamente 8 mil estabelecimentos que administra diretamente - não franquias - em território americano estão operando atualmente, com diferentes tipos de serviço, em alguns casos apenas com produtos para retirada. Para o ano como um todo, a companhia espera que as vendas em seus dois principais mercados, EUA e China, caiam entre 10 e 20%.

Além de fechar cerca de 400 cafeterias nos próximos 18 meses, a empresa sediada em Seattle, no estado americano de Washington, só vai abrir cerca de 300 novas cafeterias no ano fiscal atual, cerca da metade das inicialmente previstas.

Como consequência da crise sanitária, a Starbucks também apostará em lojas voltadas exclusivamente para a coleta de pedidos, especialmente em áreas urbanas como Nova York, São Francisco e Chicago. Além disso, vai reformar muitos de seus estabelecimentos, considerando que, por causa da pandemia, os clientes vão querer passar menos tempo no local e preferir mais facilidades para comprar seu café para ir embora.

"A Starbucks sempre foi conhecida como o 'terceiro lugar', um lugar aconchegante longe de casa e do trabalho onde nos conectamos por uma xícara de café", declarou o CEO da empresa, Kevin Johnson, em um comunicado.

"À medida que navegamos na crise da Covid-19, estamos acelerando nossos planos de transformar as lojas para responder à realidade da situação atual, enquanto continuamos proporcionando uma experiência segura, familiar e útil para nossos clientes", acrescentou.

Após o anúncio, as ações da Starbucks registraram perdas em Wall Street e fecharam em queda de pouco mais de 4%.