PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Israel reabre piscinas e academias, e busca equilibrar contágios e economia

13/07/2020 15h01

Jerusalém, 13 jul (EFE).- Uma comissão parlamentar israelense ordenou a reabertura de academias e piscinas, fechada pelo governo há apenas uma semana para conter uma segunda onda de coronavírus em Israel, apesar da oposição do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

O debate entre os membros da comissão especial começou quando a maioria considerou o impacto econômico mais grave do que o número de infecções nestes espaços, que tem sido relativamente "baixo", informou o portal "Times of Israel".

A comissão mantém, no entanto, o fechamento de bares e limitações de capacidade em restaurantes a um máximo de 20 pessoas em espaços abertos e 30 em ambientes fechados.

A crise econômica começou a preocupar Israel tanto quanto a possibilidade de contágio, enquanto aumentam as críticas à gestão de Netanyahu, com indicadores piores nesta segunda onda do que na primeira.

De acordo com uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira pela rádio pública "Kan", 85% dos israelenses questionam a estratégia do governo e um terço afirma estar com problemas para cobrir as despesas mensais.

O índice de desemprego chegou a 20% - era de 4% em fevereiro, antes da pandemia - e cerca de 850 mil israelenses estão atualmente desempregados.

Israel, com cerca de nove milhões de habitantes, se apressou para tomar medidas de restrições e fechamento de fronteiras em março, e terminou o mês de maio, três meses após a chegada da Covid-19, com 17 mil infectados e 285 mortos.

Em junho, após a retirada gradual das restrições, os números começaram a aumentar para mais de 1.000 infecções por dia. Nesta segunda-feira, o governo confirmou mais de 1.200 casos positivos em menos de 24 horas. Ao todo, 364 pessoas já morreram por Covid-19 em Israel.

Muitos especialistas criticaram a rapidez da reabertura e a falta de um plano concreto para lidar com uma eventual segunda onda. Netanyahu reconheceu que o governo experimentou uma situação de "tentativa e erro" e que, tendo em conta os resultados, a reabertura foi "rápida demais".

O novo fechamento de algumas empresas tem sido um duro golpe para muitos trabalhadores autônomos, pequenos e médios empresários que viram a atividade cair drasticamente. Muitos manifestaram o descontentamento no último sábado, em um protesto em Tel Aviv, onde cerca de 10 mil pessoas exigiram mais apoio do governo.

No domingo, o governo aprovou um plano de ajuda econômica para os mais afetados e ampliou as ajudas aos desempregados, medidas que precisam ser aprovadas nesta segunda-feira no Parlamento.