Bolsas

Câmbio

Bancada ruralista quer discutir detalhes de parcelamento do Funrural

Idiana Tomazelli

Brasília

A bancada ruralista ainda quer discutir com o governo alguns detalhes sobre o texto da Medida Provisória (MP) que vai parcelar os débitos dos produtores com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). A abertura desse refis é importante para impedir que os produtores que deixaram de pagar as contribuições nos últimos anos sejam "negativados" e, com isso, fiquem sem acesso a crédito. Mas o setor continuará questionando a cobrança da dívida passada no Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Nilson Leitão (PSDB-MT).

"A classe ainda tem a expectativa real de discutir a dívida com o STF", afirmou o tucano. Em paralelo, o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) apresentou um projeto de lei para conceder remissão e anistia total a essa dívida. O texto foi incluído na pauta desta terça-feira, 23, do plenário do Senado. "Pode ser uma saída", admitiu Leitão.

Segundo o presidente da FPA, a previsão é de que o prazo para adesão ao parcelamento seja de 30 de novembro. Até lá, os produtores poderão continuar questionando a cobrança da dívida acumulada nos últimos anos na tentativa de extingui-la. Se não obtiverem o perdão almejado, eles ainda terão condições mais benéficas para efetuar o pagamento, com descontos de 100% nos juros e de 25% em multas e encargos, além do prazo de 180 meses.

Ao aderir ao refis do Funrural, os produtores que têm dívidas pagarão uma alíquota de 2,3% sobre a comercialização, como é hoje. Já quem manteve os pagamentos em dia passará a desembolsar uma alíquota menor, de 1,5%.

Embora questões como alíquotas e prazos já estejam pacificadas, os deputados querem encontrar uma fórmula para evitar que a cobrança do Funrural incida sobre um mesmo produto ao longo da cadeia. No caso de pecuaristas, por exemplo, um animal pode ser vendido ainda aos seis meses e, depois, já adulto. Nas duas operações haveria o pagamento da contribuição, o que a bancada quer evitar, disse Leitão.

"São detalhes", disse o presidente da FPA. "Precisamos de um modelo escalonado", acrescentou, sem dar maiores especificações sobre uma possível alternativa.

Leitão reiterou que a bancada ruralista vai discutir o texto da MP entre esta segunda e terça. Apesar do adiamento na publicação da medida - o governo já tinha o texto pronto na última sexta-feira, 19 -, o representante dos ruralistas afirmou que é preciso "salvaguardar" os produtores do lançamento das dívidas pela Receita Federal.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos