Tendências: queda no preço da gasolina deve dar alívio no IPCA

Maria Regina Silva e Thaís Barcellos

São Paulo

A redução de 5,9% no preço médio da gasolina nas refinarias provavelmente não será repassada integralmente para o consumidor, avalia a economista e sócia da Tendências Consultoria Integrada Alessandra Ribeiro. Segundo ela, normalmente metade da queda é repassada para o varejo, o que, segundo seus cálculos, daria um alívio de 0,10 ponto porcentual no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). "Supondo que mais ou menos metade desse recuo atinge o consumidor, ou seja, 2,8%, o efeito é de 0,10 ponto", diz.

A Petrobras ainda anunciou nesta sexta-feira, 30, a redução do preço médio nas refinarias do diesel, de 4,8%. Se o recuo for transferido totalmente para o varejo, a estatal estima queda de 2,7%, ou cerca de R$ 0,08 por litro, em média. Já o recuo de 5,9% da gasolina, se repassado na íntegra para o consumidor, o declínio estimado é de 2,4% ou R$ 0,09 por litro, em média. "Já quanto ao recuo do diesel, vai atingir os preços ao longo da cadeia", afirma, ao referir-se ao impacto que tende a ser mais diluído e afetar mais os índices gerais de preços (IGPs).

O anúncio da Petrobras foi feito no mesmo dia da divulgação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que mudou a bandeira tarifária de verde (sem cobrança extra) para amarela, que adiciona R$ 2 por quilowatt/hora na fatura de energia elétrica.

Segundo Alessandra, o efeito de queda da gasolina praticamente anula o impacto de alta da bandeira amarela, que pode chegar a 0,15 ponto porcentual. Contudo, a projeção para o IPCA de 2017 da Tendências prossegue em 3,6%. "Altera mais a projeção para o mês. A princípio não deve mudar à luz desses eventos. A estimativa para o dado do ano também depende de outras variáveis, como câmbio. Por enquanto, vamos manter a expectativa", explica.

Para o IPCA de junho, a Tendências aguarda deflação de 0,15% e inflação de 0,32% para o IPCA de julho.

Bandeira amarela

A nova redução dos preços da gasolina nas refinarias deve limitar, para os consumidores, o impacto da mudança de bandeira tarifária na energia elétrica, de verde para amarela, no IPCA de julho, segundo o economista da Rosenberg Associados, Leonardo França Costa.

Nas contas de França Costa, a queda da gasolina pode produzir alívio de 0,08 ponto porcentual no IPCA de julho. "Se o efeito for repassado integralmente, o que não tem acontecido", pondera. Em contrapartida, a mudança de bandeira na energia elétrica deve trazer pressão adicional altista de 0,14 ponto porcentual.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos