ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Nesse embate, Brasil só tem a perder, diz executivo

Cláudia Trevisan, correspondente

Washington

16/06/2018 08h55

O Brasil não tem a ganhar com a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e corre o risco de pagar parte da conta caso as duas maiores economias do mundo cheguem a um acordo para ampliar as exportações americanas para o país asiático, avaliou Marcos Jank, presidente da Aliança Agro Ásia-Brasil, entidade criada no ano passado para promover a imagem do agronegócio brasileiro na Ásia.

Jank acredita que Washington e Pequim estão medindo forças com o anúncio de tarifas e de retaliações. Em sua opinião, os dois lados acabarão chegando a um entendimento, que envolverá o aumento das compras chinesas de produtos agroindustriais dos EUA, em detrimento de competidores diretos, como o Brasil.

O movimento nessa direção já começou a ocorrer, ressaltou, com a imposição de medidas antidumping pela China contra a importação de frango brasileiro, na semana passada. O produto nacional havia conquistado espaço no país asiático depois da suspensão de embarques de frango dos EUA, em 2010, e da adoção de medidas antidumping em 2015, lembrou Jank. Segundo ele, ao impor a barreira ao Brasil, a China abre espaço para ampliar as compras de frango dos EUA. "A estratégia de Trump é apertar para forçar uma negociação. O meu temor é o que pode sair dessa negociação", disse Jank em entrevista da Austrália por telefone.

O executivo lembrou que o Brasil é o principal concorrente dos EUA em vários segmentos do agronegócio, entre os quais mencionou soja, carne bovina, frango e suco de laranja. "Se houver um grande acerto, isso terá impacto em vários setores, mas para o agronegócio brasileiro ele pode ser muito ruim", observou Jank, que vive em Cingapura. "O Brasil é o terceiro maior exportador agrícola do mundo e é um forte concorrente dos Estados Unidos."

Como reflexo das barreiras impostas por Trump, o preço da soja recuou ontem no mercado global, mas os prêmios pela soja brasileira continuam subindo, com a expectativa de que a China imponha tarifas contra o produto americano. O mercado chinês abocanha 50% do que os EUA produzem.

A tentativa de aplacar Trump com possíveis concessões no setor vai além da China, disse Jank. Em abril, o Japão flexibilizou exigências de emissões de combustível à base de etanol, o que beneficiou os produtores americanos em detrimento dos brasileiros. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais Economia