IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Guedes diz que aceita mudanças que classe política faça em programas do governo

Daniela Amorim e Denise Luna

Rio

26/07/2019 14h05

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que diferentes instituições do País estão trabalhando em conjunto com o governo federal em prol de bons resultados. Segundo ele, o Supremo Tribunal Federal (STF) tem tomado decisões favoráveis à economia, como nos casos em que foi provocado em contestação a privatizações da Petrobras, quando os ministros votaram favoravelmente à alienação de ativos da petroleira.

"A empresa tem capacidade de gestão, tem um excelente gestor lá dentro. A Suprema Corte foi chamada a decidir e decide corretamente, porque os ministros são bem instruídos e bem informados", afirmou Guedes, em discurso para empresários na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ). "O Supremo decide corretamente questões importantes para nós. O Congresso vem e apoia a reforma da Previdência. O TCU, Tribunal de Contas da União, nos ajuda muito também", elogiou.

Guedes disse que aceita eventuais mudanças que a classe política faça em programas do governo. "Estamos confortáveis com isso", declarou.

Ele defendeu a pluralidade de opiniões no País, que une o conservadorismo nos costumes ao liberalismo na economia, citando que correntes diferentes coexistem em países europeus e nos Estados Unidos.

"Nosso foco é ordem e progresso, a ordem democrática. Na ordem democrática não tem esse negócio de quebrar trator, tacar fogo na prioridade dos outros, parar estrada. Que historia é essa?", criticou o ministro.

Segundo ele, um governo economicamente competente é essencial para que consiga atender às demandas sociais. O ministro afirmou que a prioridade é acelerar as privatizações, para que o governo se concentre em priorizar investimentos na educação, saúde e o "capital humano brasileiro".

"Tem que ter competência, senão você não consegue ser generoso. Não existe incompatibilidade entre social e econômico", defendeu Guedes. "Algumas estatais viraram foco de aparelhamento, não investem e não deixam outras empresas investirem", declarou.

Mais Economia