PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Contra coronavírus, Firjan pede crédito e mais prazo para impostos

Vinicius Neder

Rio de Janeiro

15/03/2020 18h00

Diante dos efeitos negativos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia, a Federação da Indústria do Rio (Firjan), encaminhou na sexta-feira passada, dia 13, ao Ministério da Economia, o "Programa de Apoio à Resiliência Produtiva", documento com propostas de medidas a serem adotadas para dar alívio financeiro para as empresas e permitir a manutenção de postos de trabalho num cenário de freio na atividade econômica.

Entre as medidas, estão a prorrogação do prazo para pagamento dos tributos federais e a ampliação imediata de linhas de crédito dos bancos públicos.

Para o presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, insistir nas reformas econômicas, como tem dito o ministro da Economia, Paulo Guedes, é insuficiente. "As reformas econômicas são fundamentais, isso não está em discussão. O problema é que o resultado das reformas demora a acontecer. Estamos falando aqui de urgência. Como o comércio está praticamente parado, isso vai chegar na produção", afirmou.

Semana passada, a Caixa e o Banco do Brasil (BB) anunciaram que reforçariam suas linhas de crédito. O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anunciou que o banco teria R$ 70 bilhões em diferentes linhas para auxiliar empresas e pessoas físicas no momento de turbulência econômica. Já o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, descartou novas linhas ou mudanças nas condições de crédito. A atuação do BNDES para enfrentar a crise se limitaria a seguir oferecendo empréstimo, num quadro em que, geralmente, os bancos comerciais se retraem.

Para Gouvêa Vieira, a postura do BNDES é um erro, pois, um dos efeitos da pandemia sobre a economia será justamente a falta de liquidez para as empresas, que, mesmo com a demanda em queda, precisarão seguir pagando impostos e salários dos empregados. Nesse quadro, obter empréstimos em condições especiais seria importante.

No caso do BNDES, um arranjo com os bancos repassadores do crédito para pequenas e médias empresas e dos financiamentos para máquinas e equipamentos seria importante, por exemplo, para facilitar as exigências de garantias.