PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Bolsonaro diz que Brandão deve ser novo presidente do BB: 'Vou falar com Guedes'

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) saiu para um passeio de moto na manhã deste domingo (2) em Brasília - Gabriela Biló/Estadão Conteúdo
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) saiu para um passeio de moto na manhã deste domingo (2) em Brasília Imagem: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

Amanda Pupo

Brasília

02/08/2020 11h47

O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo (2) que o novo presidente do Banco do Brasil deverá ser mesmo o ex-presidente do HSBC Brasil André Brandão e, para bater o martelo na decisão, vai conversar nesta segunda-feira com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

"A princípio é ele", disse Bolsonaro ao ser perguntado se André Brandão seria o nome para o posto. "Vou falar com Guedes amanhã. Tenho total confiança no Guedes. A escolha é dele", completou.

A declaração de Bolsonaro foi dada a jornalistas quando ele estava em uma padaria no Lago Norte, bairro nobre de Brasília. Ele parou no estabelecimento durante passeio de moto que fez pela cidade nesta manhã. Ele saiu do Palácio da Alvorada por volta das 9h, mas já voltou à residência oficial.

Conforme o Broadcast informou, a indicação de André Brandão para comandar o BB representa uma vitória para a ala "pragmática" do governo. Se confirmado, ele vai substituir Rubem Novaes, de 74 anos, que anunciou sua saída do cargo no início da semana passada. A escolha de Brandão foi antecipada na sexta-feira (31) pela colunista Sonia Racy, do Estadão.

Novaes pediu demissão em meio a um desgaste e também por causa da pressão de dirigir o banco. Apesar de ser um nome com o aval do ministro Guedes, o executivo era também ligado ao "guru" Olavo de Carvalho, que tem criado polêmicas e atrapalhado a pauta do governo no Congresso. Além disso, o desempenho do BB na área de crédito também seria insatisfatória. Em meio à pressão, ele avisou Bolsonaro e Guedes que estava de saída no dia 24.

O governo vive neste momento uma "limpa" da área ideológica, justamente para agradar o mercado financeiro e principalmente o Legislativo e os partidos do chamado Centrão, que agora formam a base de apoio do governo Bolsonaro. Ao escolher um nome de mercado —Brandão tem 17 anos de HSBC e mais de uma década de Citibank -, o consenso é de que o nome reforça o cacife de Guedes no governo.

A confirmação de Brandão no cargo depende ainda de ritos internos do BB e do governo, mas a expectativa é de que a indicação oficial se seu nome seja feita nesta segunda-feira.